SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Petrobras: venda da Liquigás contribui para meta de desinvestimento de 2016

De acordo com a gerente executiva de Aquisições e Desinvestimentos da estatal, Anelise Quintão Lara, empresa vendeu até agora quase US$ 11 bilhões em ativos e espera alcançar a meta até o fim do ano

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/11/2016 22:23

Com a venda da distribuidora de gás liquefeito de petróleo (GLP) Liquigás para o Grupo Ultra por R$ 2,8 bilhões, a Petrobras se aproxima da meta de desinvestimento de US$ 15,1 bilhões no biênio de 2015 e 2016, afirmou nesta quinta-feira (17/11) a gerente executiva de Aquisições e Desinvestimentos da estatal, Anelise Quintão Lara. Ela participou de teleconferência com imprensa para detalhar o contrato fechado nesta quinta-feira

 

Segundo a executiva, a Petrobras vendeu até agora quase US$ 11 bilhões em ativos e espera alcançar a meta até o fim do ano, indicando que novos negócios devem ser anunciados até o fim de dezembro.

 

O pagamento pela distribuidora de GLP, no entanto, só deve entrar no caixa da petroleira no fim de 2017. "Estamos muito satisfeitos com a venda", afirmou a executiva, que, durante a entrevista, reiteradamente ressaltou que o valor pago pela Liquigás ficou muito acima do esperado pelo mercado, ao mesmo tempo que atendeu às expectativas da Petrobras.

 

Leia mais notícias em Economia  

 

A aquisição, no entanto, esbarra em limites concorrenciais, por conta da presença expressiva do Grupo Ultra neste mercado. Mas, segundo Anelise, o problema foi avaliado durante o processo de negociação da empresa e o Ultra se comprometeu a encontrar uma solução. "A responsabilidade por resolver o problema concorrencial é do Grupo Ultra, que já está preparado para isso", disse a gerente da Petrobras. Ela argumentou também que "qualquer uma das empresas do setor que comprasse a Liquigás poderia ser questionada pelo Cade".

 

De acordo com a gerente da estatal, o processo de venda da Liquigás foi bastante competitivo e contou com a participação de 46 empresas brasileiras e estrangeiras, identificadas como potenciais interessadas e convidadas pela estatal a participar. A Liquigás é uma empresa "enxuta, tem performance boa e tem baixo nível de endividamento", afirmou. Ela disse também que não há passivos relevantes a serem solucionados na empresa, inclusive trabalhistas.

 

A Liquigás conta com 3,2 mil empregados próprios, que não são ligados diretamente à Petrobras, e, segundo a executiva, devem permanecer na empresa. Ela disse também que o Grupo Ultra ao fechar o negócio adquiriu o direito de explorar a marca, indicando que o nome da distribuidora deverá ser mantido. 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade