SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Consumo das famílias cai pelo sétimo trimestre seguido

Recuo entre julho e setembro foi de 0,6%, menor que a queda de 1% registrada nos três meses anteriores

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/11/2016 12:42

Rosana Hessel - Enviada Especial

Rio de Janeiro - Assim como o Produto Interno Bruto (PIB), o consumo das famílias teve sete trimestres seguidos de queda na comparação com os três meses imediatamente anteriores, algo nunca visto na série histórica atualizada do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), iniciada em 1996.

No entanto, o resultado negativo de julho a setembro desse indicador foi menos acentuado do que nos três meses anteriores, recuando 0,6% depois de cair 1% no segundo trimestre. Para a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis, isso essa atenuada na retração é positiva, pois o peso das despesas de consumo das famílias no PIB é de 64%. Logo, uma melhora pode ajudar a reverter esse quadro recessivo da economia, é possível acreditar em uma mudança de tendência. “Vamos esperar os próximos dados, mas acredito que o consumo é o que poderá ajudar a reverter o quadro atual da economia daqui para frente”, afirmou Rebeca.

 

PIB encolhe

 

O PIB do terceiro trimestres de 2016 encolheu 0,8% na comparação com o anterior, com queda generalizada em todos os indicadores que compõem o índice, principalmente, a indústria, que encolheu 1,3% no mesmo período. Nesse item, o único setor a registrar dos poucos setores a registrar crescimento graças à indústria  petrolífera porque a de mineração amarga quedas seguidas desde o desastre de Mariana (MG), em novembro de 2015. “Esse crescimento, de 3,8%, ajudou a evitar que a queda da indústria fosse maior. Ele amenizou o recuo”, explicou a técnica.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade