SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Resultado do PIB do Brasil no terceiro trimestre é o pior do mundo

País fica na lanterna entre 39 países que já divulgaram a soma de riquezas no terceiro trimestres, conforme levantamento da Austin Rating

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/11/2016 13:11 / atualizado em 30/11/2016 13:37

Rosana Hessel

A queda de 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre, descontados os efeitos sazonais, fez o Brasil encolher 2,9% na comparação com o mesmo período de 2015. Esse resultado deixou o país na lanterna do desempenho de 39 nações que já divulgaram o PIB e representam 83% do PIB mundial, conforme ranking levantado pela Austin Rating.
 
“Novamente, o Brasil foi superado pelas economias da Grécia, Ucrânia e Rússia, que nas edições anteriores estavam com desempenhos piores”, destacou o economista-chefe da Austin, Alex Agostini. Segundo ele, outras economias que apresentaram resultados muito ruins nas edições anteriores, como a Venezuela, ainda não divulgaram seus resultados e isso coloca o país com o pior desempenho do mundo até o momento.
 
Esse ranking da Austin é liderado por Filipinas, que cresceu 7,1% no terceiro trimestre deste ano comparado com o mesmo período de 2015, seguido por China, em segundo lugar, com alta de 6,7% no PIB, na mesma base de comparação. Além do Brasil, apenas Rússia e Noruega tiveram queda no mesmo intervalo, de 0,6% e 0,9%, respectivamente.
 
Letargia
Agostini avaliou que a economia brasileira está em estado de “letargia”, e, por conta disso, ele revisou suas projeções para PIB deste ano e do próximo. Aprofundou de 3,1% para 3,49% a previsão de retração em 2016 e reduziu para menos de 0,98% a expectativa de crescimento no ano que vem, que era de 1,1%. “A revisão para cima do PIB de 2017 recai sobre a perspectiva de melhora vigorosa dos fatores de produção a partir do segundo semestre de 2017, com destaque aos investimentos privados, bem como pela retomada do mercado de crédito com estímulo da queda da taxa de juros e início de recuperação do mercado de trabalho, além do efeito estatístico da base de comparação menor”, explicou.
 
Se as novas previsões de Agostini para o PIB se confirmarem, em 2016, o Brasil cai para o nono lugar entre as 10 maiores economias do planeta, atrás da Itália e da Índia.  Em 2017, o país voltaria para a oitava colocação no ranking liderado por Estados Unidos, seguido por China, Japão, Alemanha, Reino Unido, França e Índia.
 
 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade