Linhas de crédito para antecipar restituição do IR têm juros de até 4,6%

Sandra Batista, do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), diz que a antecipação é cara, mas "pode ser benéfica para quem tem dívidas ainda mais onerosas"

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/03/2017 06:00 / atualizado em 13/03/2017 13:45

Luis Nova/Esp. CB/D.A Press
 
 
Em paralelo à largada para a entrega da declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF 2017), os bancos se apressaram a lançar linhas de crédito para o contribuinte interessado em antecipar a restituição do tributo. Taxas, prazos e condições gerais para o empréstimo variam de acordo com a instituição financeira, podendo chegar a 4,6% ao mês. Entre os que já anunciaram esse tipo de crédito, o Banco de Brasília (BRB) sai com a menor taxa máxima, de 3,35% mensais.

Sandra Batista, do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), diz que a antecipação é cara, mas “pode ser benéfica para quem tem dívidas ainda mais onerosas”. “Quem está no cheque especial pagando 15% ao mês pode e deve tomar o empréstimo para se livrar desse custo elevado”, afirma. Sandra lembra, porém, que o governo corrige o imposto a ser restituído pela taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 12,25% ao ano, bem abaixo do custo que o contribuinte vai pagar por esse tipo de crédito.

Para Renata Costa Ferreira, 46 anos, desempregada há oito meses, o dinheiro virá em boa hora. Ela trabalhava em uma empresa que vendia tecnologia de ponta ao governo, mas a multinacional que a empregava demitiu cerca de 300 pessoas no ano passado. “Nunca fiz esse empréstimo porque podia esperar a restituição. Será minha primeira vez”, diz.

Quem cobra a taxa mais elevada para antecipar a restituição do IR é o Santander — até 4,59% ao mês. A instituição afirma, porém, que o custo pode cair a 2,59%, dependendo da movimentação do cliente. No Banco do Brasil (BB), o teto é de 4,18% mensais. “A antecipação é uma alternativa para auxiliar no equilíbrio das finanças, uma vez que o valor não impacta o orçamento mensal dos clientes”, diz o diretor de Empréstimos e Crédito Imobiliário do BB, Edson Cardozo. A quitação está prevista para quando ocorrer a restituição, ou até 15 de janeiro de 2018.

O Bradesco não divulga a taxa máxima, informando apenas que “a nova linha tem taxa a partir de 2% ao mês”. O crédito terá prazo para liquidação em 15 de dezembro deste ano. O banco oferece o empréstimo, também, para quem não é cliente. O Itaú Unibanco não informa o custo médio da antecipação, alegando que a taxa varia conforme a relação do cliente com a instituição. “Se divulgarmos um percentual, muitos passarão a exigir aquela taxa em particular, criando dificuldades nas agências”, alega a instituição.
 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.