SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Desvalorização chega a R$ 5,4 bilhões com a Operação Carne Fraca

Estudo mostra que ações da JBS foram as que mais perderam valor. Na segunda semana de abril, exportações subiram 26,6% ante o mesmo período do ano passado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/04/2017 06:00

Janine Moraes/CB/D.A Press - 28/3/12
 
As exportações brasileiras de proteína animal sofreram menos impacto da Operação Carne Fraca, que completou um mês ontem, do que o valor de mercado das empresas do setor. Conforme levantamento da Economatica, os papéis dos principais frigoríficos brasileiros se desvalorizaram R$ 5,39 bilhões, de 16 de março — véspera do dia em que a Polícia Federal apontou irregularidades em 21 unidades — até 13 de abril. A JBS registrou a maior perda, de R$ 4,87 bilhões, seguida pela BRF, com quase R$ 400 milhões. Até companhias que não foram citadas, como Marfrig e Minerva, perderam valor de mercado.
Enquanto isso, as exportações cresceram 8,7% na segunda semana de abril ante a primeira e 26,6% na comparação com o mesmo período do ano passado, divulgou ontem o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic). Apenas a carne bovina registrou queda de 1,8%, que passou de US$ 17,5 milhões em média diária em março para US$ 17,2 milhões em abril. Em volume de carne bovina, as exportações caíram de 4,3 milhões de toneladas por dia útil em março para 4,2 milhões de toneladas em abril. As vendas externas de produtos suínos tiveram crescimento de 21,6% em valor médio diário e de 13% em volume, enquanto as de frango aumentaram 1,6% e 1,1%, respectivamente, de acordo com o Mdic.

Para Vinícius Piccinini, analista de mercado, a operação abalou a imagem do setor como um todo. “Apesar do impacto ter sido pequeno nas exportações, houve substituição de mercados e afetou a credibilidade do Brasil, como produtor de carne, e das empresas”, avaliou. O especialista ressaltou que o valor dos ativos ainda pode sofrer efeito de ajustes nos balanços das companhias, com registro de prejuízos por conta do fechamento de unidades e suspensão de abates. 


Recuperação


No entender do economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, as empresas que não estão envolvidas diretamente na Operação Carne Fraca devem se recuperar mais cedo. “As grandes, como JBS e BRF, tiveram a imagem mais arranhada, apesar de o governo ter agido rapidamente para estancar a sangria nas exportações”, afirmou. Em março, na comparação com fevereiro, o Mdic registrou uma queda de 6,2% no grupo carnes, mas, segundo o diretor do Departamento de Estatística e Apoio à Exportação, Herlon Brandão, “os embarques já se normalizaram”.

Procuradas sobre a perda de valor de mercado, a BRF não se manifestou. A JBS informou que “é uma empresa de capital aberto e informa publicamente seus resultados e dados econômicos por meio de balanço trimestral divulgado nos canais oficiais”. Com relação ao desempenho na Bolsa de Valores, a empresa “entende que oscilações na cotação são naturais e que as perspectivas de médio e longo prazo são favoráveis para a companhia e seus acionistas”.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.