Recuperação cíclica da economia mundial beneficia o Brasil, diz Ilan

Ainda a respeito do cenário internacional, Ilan disse que há dúvidas se esta recuperação vai se manter e se os preços das commodities vão seguir no nível atual

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/04/2017 10:29

Minervino Junior/CB/D.A Press
O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, afirmou durante palestra em evento do Itaú nesta terça-feira (18/4), em São Paulo, que a incerteza persiste no cenário internacional, mas ao mesmo tempo há uma recuperação cíclica na economia mundial, com países como Estados Unidos e Japão em recuperação. Este movimento beneficia o Brasil. "O futuro político se tornou mais conturbado", disse ele, citando eleições importantes em vários países, as incertezas sobre Donald Trump, o presidente dos EUA, e o Brexit, a saída do Reino Unido da União Europeia. "Tudo isso trouxe mais incerteza que o comum." 

Ao falar do crescimento de várias economias, Ilan ressaltou que não são só os EUA que estão em expansão, mas países da Europa, Japão e a China estão estabilizando suas taxas de avanço do Produto Interno Bruto (PIB). "Há uma recuperação cíclica depois de muitos anos de dúvidas sobre estagnação." 

Este movimento de recuperação tem feito o preço das commodities subir ou, ao menos, evitado a queda, beneficiando o Brasil, que é exportador destes produtos. "O Brasil tem enfrentado incerteza como todo mundo enfrenta no mundo, mas tem se beneficiado da recuperação cíclica e da melhora das commodities."

Ainda a respeito do cenário internacional, Ilan disse que há dúvidas se esta recuperação vai se manter e se os preços das commodities vão seguir no nível atual. Há ainda os riscos do cenário político, que podem afetar a recuperação da economia mundial. "Essa conjuntura internacional encontra o Brasil em um momento de mudança, onde o país é um dos poucos países do mundo com agenda de reformas intensa."
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.