SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Rio acha 'razoável' liberação de R$ 3,5 bi da União ainda no 1º semestre

Ao todo, ao longo deste ano, R$ 10 bilhões devem entrar no caixa Mas a liberação da maior parte ainda depende da aprovação do pacote de ajustes fiscais na Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/04/2017 13:40

Segundo o secretário estadual da Casa Civil do Rio de Janeiro, Christhino Áureo, "é razoável" a liberação de R$ 3,5 bilhões da União, atrelados à venda da Cedae, ainda no primeiro semestre deste ano. Esse deve ser o primeiro dinheiro a entrar no caixa do governo fluminense após a aprovação do programa de ajuda federal, cujo texto principal passou na terça-feira, 18, na Câmara. 

Ao todo, ao longo deste ano, R$ 10 bilhões devem entrar no caixa Mas a liberação da maior parte ainda depende da aprovação do pacote de ajustes fiscais na Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj).

Como os deputados estaduais já autorizaram a venda da Cedae, o esperado é que o crédito da União atrelado à privatização da empresa saia mais rapidamente. Esse dinheiro vai dar "conforto" ao governo para colocar em dia a folha de pagamento, segundo o secretário. Em seguida, serão pagas dívidas das áreas de educação, saúde e segurança e, mais à frente, nas demais áreas.

Além da aprovação do programa de ajuda no Congresso, o Estado ainda depende da tramitação do pedido de crédito de R$ 3,5 bilhões em bancos públicos. A avaliação do governo fluminense, no entanto, é que o programa de apoio federal passe mais facilmente no Senado do que na Câmara. Por isso a expectativa de ter acesso ao dinheiro da Cedae rapidamente. 

Na Alerj ainda vai tramitar uma série de medidas para que o Estado seja capaz de acessar mais cerca de R$ 6,5 bilhões. Áureo acredita que o governo não terá dificuldade nessa etapa, apesar da crise política decorrente das investigações da Polícia Federal que envolvem parlamentares locais.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.