SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Após forte queda na quinta, preços das ações ensaiam recuperação na Bovespa

Na quinta, o indicador fechou em queda de 8,80%, depois de entrar em circuit breaker e marcar mínima com perda de 10,70%

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/05/2017 11:29 / atualizado em 19/05/2017 11:46

O Índice Bovespa abriu em alta um dia depois de registrar a maior queda porcentual desde a crise financeira global de 2008. Às 10h30, desta sexta-feira, 19, o Ibovespa subia 2,01% aos 62 810,38 pontos, sustentada por todas as blue chips. O cenário externo positivo - com petróleo, minério de ferro e índices acionários europeus e futuros americanos em alta - favorece a melhora dos preços no mercado de ações doméstico. 
 
 
Na quinta, o indicador fechou em queda de 8,80%, depois de entrar em circuit breaker e marcar mínima com perda de 10,70%. As ações da Vale, por exemplo, registram ganhos em linha com o avanço do preço do minério de ferro. No mercado à vista chinês, a matéria-prima teve alta de 1,77%, atingindo US$ 62,69 por tonelada. Por volta das 10h30, Vale ON tinha ganho de 1,75%, enquanto a ação PNA subia 1,53%. 

A ação do Banco do Brasil liderava as altas do Ibovespa, instantes atrás, esboçando recuperação após a queda de 19,91% registrada na quinta. Na manhã desta sexta, o papel avançava 6,20%, a R$ 28,76, com a segunda maior variação positiva do índice, que no mesmo instante subia 1,72%, aos 62.655 pontos. Os demais bancos também sobem: Bradesco PN (+3,08%), Itaú Unibanco PN ( 3,55%) e Santander UNIT ( 2,94%). 

Para dois profissionais do mercado financeiro ouvidos pelo Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado), o desempenho dos ativos ainda embutem cautela dos agentes econômicos diante das incertezas sobre o futuro da agenda econômica do governo de Michel Temer. "O sentimento ainda é de um Brasil parado para as próximas semanas no âmbito das reformas", afirmou um terceiro profissional. 

Esse operador entende, contudo, que a melhora dos preços domésticos "não é modesta" porque "pouca coisa mudou de ontem para hoje", referindo-se ao noticiário político e também a novidades sobre o andamento das reformas Trabalhista e da Previdência.
 

Fitch reafirma rating do Brasil em BB 

A Fitch reafirmou hoje os ratings de longo prazo do Brasil em BB, em moedas estrangeira e local. A perspectiva dos ratings é negativa.

O teto do país também foi mantido, em BB , assim como os ratings de curto prazo em moedas estrangeira e local, em B. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.