CCJ no Senado realiza audiências públicas sobre a reforma trabalhista

Na audiência pública, também estão presentes a ministra do Tribunal Superior do Trabalho, Delaide Miranda Arantes, o juiz do trabalho Rodrigo Dias e a representante da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Christina Aires Correa Lima

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/06/2017 12:27

Começou por volta das 10h10 desta terça-feira, 27, a primeira audiência pública do dia para debater a reforma trabalhista na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) no Senado. Entre os presentes, está o relator da reforma trabalhista na Câmara, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), o presidente da Central Única dos Trabalhadores, Vagner Freitas, e o procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Curado Fleury. 

Por volta das 10h20, o painel da CCJ marcava quórum de nove senadores. No plenário, porém, apenas três senadores estavam presentes: Paulo Paim (PT-RS), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e o presidente da comissão, Edison Lobão (PMDB-MA). 

Na audiência pública, também estão presentes a ministra do Tribunal Superior do Trabalho, Delaide Miranda Arantes, o juiz do trabalho Rodrigo Dias e a representante da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Christina Aires Correa Lima. 

A partir das 15 horas, está prevista a segunda audiência pública do dia para debater o tema. 

Na quarta-feira (28/6), a sessão da CCJ que votará o relatório da reforma trabalhista começa cedo com a leitura dos votos em separado, o que deve terminar até 16 horas. Em seguida, haverá discussão sobre o tema. Terminado o debate, a CCJ deve votar o relatório - última etapa antes da votação da reforma trabalhista no Plenário. 

Desde a segunda-feira (26/6), porém, parlamentares da oposição têm afirmado que tentarão obstruir os trabalhos no Congresso diante da acusação da Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer apresentada na segunda à noite ao Supremo Tribunal Federal (STF).
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.