Meirelles: com crise política, PIB deve subir menos do que o 0,5% projetado

Após participar de encontro com investidores promovido pelo Citi, Meirelles reafirmou a expectativa de retomada do crescimento econômico

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/06/2017 15:37

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, revelou nesta quarta-feira (28/6), que o governo está revendo a projeção sobre o desempenho da economia neste ano. Meirelles avaliou que a crise política tem, na margem, efeito sobre a média de crescimento econômico, mas não é algo dramático.


Após participar de encontro com investidores promovido pelo Citi, Meirelles reafirmou a expectativa de retomada do crescimento econômico, mas adiantou que o PIB deve subir menos do que a taxa de 0,5% das projeções da equipe econômica.

O titular da pasta da Fazenda disse também que a previsão do governo de crescimento de 2,7% da economia no último trimestre do ano ante o mesmo período de 2016 ganhou viés de baixa. Ainda assim, ressaltou que a tendência é de crescimento superior a 2% nessa base de comparação.

 

Leia mais notícias em Economia


"De fato, a projeção tem certo viés de baixa, mas nada abaixo de 2%", disse Meirelles. Ele citou que, antes de anunciar as novas projeções, o governo acompanha a evolução dos índices de confiança, que vem sofrendo com a crise política - embora o ministro tenha dito que a pasta não tem se preocupado sobre os fatores que influenciam na perda de confiança na economia.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
jorge
jorge - 29 de Junho às 18:55
O maior defeito que um ministro da área economica pode ter é fazer previsões econômicas furadas, normalmente eles sonham com recupareção econômica em curto prazo. Tenta passar para a população que o País está saíndo da crise, vejam não precisa ser economista para prever que o PIB, não será positivo este ano, há motivos de sobra para esta conclusão: juros elevados no cartão de crédito( quase 400 % ao ano) e no credito pessoal bancário ( quase 5% ao mês), população endividada, 14 milhões de desempregados, não há investimento público para gerar emprego, indústria estagnada, não produz, não gera empregos,até o consumo de alimentos vem sendo afetado. Conclusão estão acabando com a inflação e empobrecendo a população.