CMN define meta de inflação em 4,25% em 2019 e 4% para 2020

O intervalo de tolerância é 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. A meta deve ser perseguida pelo Banco Central

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/06/2017 09:41 / atualizado em 29/06/2017 11:37

O Conselho Monetário Nacional (CMN) definiu nesta quinta-feira (29/6) as metas de inflação para 2019 e para 2020. Daqui a dois anos, a meta a ser perseguida pelo Banco Central (BC) será de 4,25%. Em três anos, o escopo ficou estabelecido em 4%. Para 2018, a taxa permanece em 4,5%.
 
As metas de inflação serão definidas a cada três anos. É um novo comunicado do CMN que, segundo avaliou o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tem por objetivo iniciar um gradual processo de convergência da meta para padrões internacionais, “que tendem a ter horizontes relevantes mais longos do que o adotado pela política monetária até o momento.”
 
“A ideia é que esses horizontes, então, agora, se ampliem para três anos. Dentro de uma trajetória gradual, inclusive, de maior ancoragem de expectativas de inflação e de uma otimização exatamente da convergência da meta gradual para padrões internacionais e, ao mesmo tempo, assegurando o crescimento da economia e do emprego”, declarou Meirelles, acompanhado do presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldajn, e do ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira.
 
A tendência natural, assegura o chefe da Fazenda, é de que nos próximos anos o CMN anuncie metas menores, que possam garantir uma convergência para algo próximo de 3%. “Não há dúvida de que há, sim, uma sinalização de convergência para padrões internacionais. Estamos aqui sinalizando uma queda de inflação gradual”, disse. Meirelles, no entanto, evitou garantir que a meta de 2021 possa ficar em 3,75%. “Isso será fixado na reunião do CMN de 2018. Não podemos antecipar agora decisões do próximo conselho”, destacou. 



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Marcus
Marcus - 29 de Junho às 11:27
O povo brasileiro não aceitará mudanças que prejudiquem os trabalhadores.Não pagaremos a conta da corrupção destes criminosos do poder.Nem,que pra isso,iremos as ruas para um confronto,trabalhadores contra bandidos.