Paulo Paim diz que já há acordo para liberar galerias do plenário do Senado

Outro petista acredita que houve falta de cooperação por parte da base governista

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/07/2017 16:30

Os senadores do PT que lideram as negociações com o governo sobre a reforma trabalhista, Paulo Paim (RS) e Jorge Viana (AC), vão pedir uma reunião imediata dos líderes partidários da Casa para tentar construir um acordo sobre a questão. De acordo com eles, o presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-AC), aceitou liberar as galerias do plenário para visitantes durante a sessão e também autorizou que todos os parlamentares possam discursar durante a sessão, porém os governistas não cederam sobre a possibilidade de aprovar um destaque ao texto da reforma. 
 
 
Os oposicionistas querem aprovar pelo menos um destaque para impedir que gestantes e lactantes possam trabalhar em ambientes insalubres, mesmo que com autorização médica, como consta na proposta original. "O que está pegando é a questão dos destaques", contou Paim. Ele havia acabado de conversar com as senadoras, que ocupam a mesa do plenário há cerca de três horas, e se dirigia ao gabinete da presidência para conversar com os líderes. 

"Conversamos com Eunício e levamos posição no sentido de que houvesse acordo não só de procedimento, mas também de mérito em relação aos destaques. Temos a visão de que Senado não pode só aceitar o que vem da Câmara", disse Paim. Caso os senadores aprovem qualquer mudança na proposta da reforma, o texto terá que ser analisado novamente pela Câmara, o que atrasaria a sua tramitação. 

Para Viana, a proposta da reforma dividiu o país, e agora também divide o Senado. "É muito grave o Senado não poder apresentar nenhuma modificação", avaliou. Ele considerou a ocupação das senadoras da oposição no plenário como uma "manifestação política". 

O petista afirmou ainda que a negociação "está muito difícil" e que os governistas não acharam nenhuma maneira de solucionar o impasse. Viana ponderou, no entanto, que bastava o governo ceder um pouco e o assunto estaria pacificado. 

"Acho que seria razoável voltar para a Câmara, já que a urgência dessa proposta não fica evidente. Para o Brasil não faz diferença votar agora ou daqui a um mês, o que queríamos seria votar destaque para que votação volte à Câmara", defendeu Viana.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.