Investigada, UTC pede recuperação judicial por dívida de R$ 3,4 bi

Em nota, companhia afirmou que a proibição de contratos com a Petrobras foi um dos causadores da crise financeira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/07/2017 18:53 / atualizado em 17/07/2017 19:26

O Grupo UTC, investigado na Operação Lava-Jato, pediu recuperação judicial na 2ª vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo. A companhia está com dívida de R$ 3,4 bilhões, que engloba 14 empresas.
 
 
A UTC Engenharia faz parte do conjunto de construtoras que estão envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras. A empresa criou novos empreendimentos e formou o Grupo. Em nota, a UTC comunicou que precisou recorrer diante da "grave recessão que assolou o país". A empresa foi proibida de fazer novos contratos com a Petrobras. Segundo a companhia, este é um dos motivos para o pedido de recuperação.
 
O pedido de recuperação engloba 14 empresas do Grupo UTC - UTC Participações S.A.; UTC Engenharia S.A.; Constran S.A. Construções e Comércio; UTC Investimentos S.A.; Niterói Reparos Navais Ltda; MAPE S.A. Construções e Comércio; UTC Desenvolvimento Imobiliário S.A.; Norteoleum Exploração e Produção S.A.; Complexo Logístico, Industrial, Alfandegário Ltda; Patrimonial Volga S.A.; Iguatemi Energia S.A.; Cobrazil S A.; Transmix Engenharia, Indústria e Comércio S.A.; e Cobrena Cia. de Reparos Marítimos e Terrestres Ltda. 
 
"Com a medida, a companhia espera repactuar suas dívidas com os credores e reestruturar suas operações para dar continuidade às atividades empresariais do Grupo UTC, cumprindo com as suas obrigações junto aos funcionários, parceiros e fornecedores", diz a nota. A empresa afirma também que a medida judicial permitirá o cumprimento das obrigações previstas no Acordo de Leniência com o Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União (CGU) e a Advocacia Geral da União (AGU).

A UTC Engrenharia se comprometeu a devolver R$ 574 milhões ao cofres públicos em até 22 anos, com correções. Após o acordo de leniência, a empresa pôde voltar a participar de licitações públicas de estados e municípios.
 
*Com informações da Agência Estado 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.