Impostômetro atingirá R$ 1,2 trilhão nesta sexta-feira, diz ACSP

Especialista avalia que a alta nos preços dos combustíveis, confirmada hoje, deve encarecer produtos e tornar mais lenta a recuperação da economia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/07/2017 19:52

O recolhimento de impostos, taxas e contribuições pagos pelos brasileiros atingirá, por volta das 10h30 de sexta-feira (21/7) a marca de R$ 1,2 trilhão, conforme o Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Neste ano, a marca será atingida com 20 dias de antecedência em relação a 2016, quando o registro ocorreu no dia 10 de agosto.

Nesta quinta-feira (20/7), o governo federal anunciou o aumento da alíquota de PIS e Cofins sobre combustíveis. "O governo tem que repensar as medidas em razão do aumento arrecadatório (quando olhamos para 2016) e dos sinais de retomada da economia. Assim, agora é um momento totalmente inoportuno para pensar em elevar tributos. O governo precisa fazer um controle eficiente dos gastos públicos e pensar em primeiro lugar na superação da população frente aos problemas financeiros trazidos pela recessão", diz o presidente da ACSP, Alencar Burti.
 
 
Para o economista, a alta de preços dos combustíveis deve refletir no "encarecimento do transporte de mercadorias e passageiros". Além disso, Burti avalia que "dificilmente" o comerciante não repassará a alta ao consumidor, o que tornará mais lenta a recuperação da economia.

Uma alternativa para o aumento de impostos, entende Burti, seria a intensificação da queda dos juros, que teria o poder de estimular o consumo, contribuindo para a recuperação da atividade econômica e, consequentemente, da arrecadação tributária.
Tags: imposto
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.