Alta do PIB de 2017 prevista pelo Relatório Focus segue em 0,34%

Para 2018, o mercado manteve a previsão de alta do PIB, de 2,00% Quatro semanas atrás, a expectativa estava em 2,10%

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/07/2017 09:43

Os economistas do mercado financeiro mantiveram a projeção para a atividade em 2017 e 2018. A expectativa de alta para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano seguiu em 0,34% no Relatório de Mercado Focus divulgado nesta segunda-feira (24/7). Há um mês, a perspectiva era de avanço de 0,39%. 

Para 2018, o mercado manteve a previsão de alta do PIB, de 2,00% Quatro semanas atrás, a expectativa estava em 2,10%. 

Em 22 de junho, o BC informou em seu Relatório Trimestral de Inflação (RTI) a manutenção em 0,5% da estimativa para o PIB em 2017. Na última sexta-feira, 21 de julho, o Ministério do Planejamento também manteve em 0,5% sua projeção para o PIB este ano, conforme o Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas do 3º Bimestre. 

No Focus agora divulgado, as projeções para a produção industrial para este ano tiveram leve piora. O avanço projetado para 2017 foi de 0,97% para 0,83%. Há um mês, estava em 0,55%. No caso de 2018, a estimativa de crescimento da produção industrial foi de 2,30% para 2,26, ante 2,30% de quatro semanas antes. 

Já a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2017 seguiu em 51,70%. Há um mês, estava em 51,50%. Para 2018, as expectativas no boletim Focus foram de 55,15% para 55,10%, ante 55,07% de um mês atrás.

Balança comercial


Os economistas do mercado financeiro mantiveram suas projeções para a balança comercial em 2017. A estimativa de superávit comercial este ano seguiu em US$ 60,00 bilhões, ante US$ 58,25 bilhões de um mês antes. Na estimativa mais recente do BC, atualizada no último Relatório Trimestral de Inflação, o saldo positivo de 2017 ficará em US$ 54,00 bilhões.

Para 2018, os economistas do mercado reduziram a projeção de superávit comercial de US$ 47,78 bilhões para US$ 45,50 bilhões. Há um mês, a expectativa era de US$ 45,00 bilhões. 

No caso da conta corrente, as previsões contidas no Focus para 2017 indicaram déficit de US$ 21,00 bilhões, ante US$ 21,70 bilhões de déficit de uma semana antes. Há um mês, a projeção estava em US$ 23,00 bilhões. Já a estimativa do BC para o déficit em conta em 2017 é de US$ 24,0 bilhões. 

O mercado também alterou a projeção de rombo nas contas externas em 2018, de US$ 33,80 bilhões para US$ 33,60 bilhões. Um mês atrás, o rombo projetado era de US$ 34,50 bilhões. 

Para os analistas consultados semanalmente pelo BC, o ingresso de Investimento Direto no País (IDP) será mais do que suficiente para cobrir o resultado deficitário, tanto em 2017 quanto em 2018. A mediana das previsões para o IDP em 2017 manteve-se em US$ 75,00 bilhões. Há um mês, estava no mesmo patamar. A projeção atual do BC para este ano também é de IDP de US$ 75,00 bilhões. 

Para 2018, a perspectiva de volume de entradas de investimento direto, de acordo com o Focus, seguiu em US$ 75,00 bilhões, igual ao projetado quatro semanas antes. 

Abertura dos dados


Os economistas do mercado financeiro alteraram a projeção do PIB no segundo trimestre de 2017 ante o mesmo período de 2016, de baixa de 0,14% para recuo de 0,20%. Isso é mostrado na abertura dos dados do Relatório Focus desta segunda. 

No mês passado, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os dados do PIB no primeiro trimestre deste ano: houve queda de 0,4% ante o mesmo período de 2016 e avanço de 1,0% ante o quarto trimestre do ano passado. Já o BC informou em 14 de julho que seu Índice de Atividade (IBC-Br) cedeu 0,51% em maio ante abril, com ajuste sazonal, e avançou 1,40% em maio ante maio do ano passado, sem ajuste. 

O Sistema de Expectativas do Mercado, atualizado hoje pelo Banco Central, não traz as projeções das instituições para o PIB na margem - ou seja, para o segundo trimestre de 2017 ante o primeiro trimestre deste ano.
Tags: pib focus bc
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.