Aumento da gasolina faz motoristas optarem por abastecer com etanol

Combustível até a semana passada podia ser encontrado a até R$ 2,95 em alguns postos do DF

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/07/2017 08:36

Barbara Cabral/CB/D.A Press

 
Apenas três dias após o aumento do PIS-Cofins sobre combustíveis, os postos do Distrito Federal sentem impacto no movimento. Os consumidores, que antes faziam filas para conseguir economizar, praticamente sumiram. O litro da gasolina que, na semana passada, era vendido a R$ 2,949 em alguns postos do DF, é encontrado a até R$ 3,969. Agora, no Plano Piloto, o combustível “em promoção” custa, em média, R$ 3,68 (veja quadro).

Reféns do alto preço na hora de abastecer os carros, brasilienses buscam soluções para a despesa não pesar, ainda mais, no bolso. Revoltados com o aumento do imposto, usuários convocam os brasileiros, pelas redes sociais, adesão à campanha “abastecimento zero”. A ideia é que hoje ninguém coloque gasolina em protesto ao reajuste do PIS-Cofins sobre combustíveis.

O dentista Maykson Feitoso, 24 anos, acredita que o movimento pode ter resultados positivos para os consumidores, desde que tenha grande mobilização. Para garantir a participação na manifestação, abasteceu ontem. Desde o aumento, ele opta por encher o tanque somente com etanol, como forma de economizar. “Um absurdo essa mudança de preço em tão pouco tempo. Fica difícil, daqui a pouco nem todo mundo que tem carro dará conta de pagar pela gasolina”, completou.

Arte/CB/DA Press

Filas

Os frentistas Weliton Oliveira, 29 anos, e Cistenis Junior, 30, explicaram que a queda no número de clientes desde a semana passada foi significativa. “Com certeza, a fila aqui no posto diminuiu muito em comparação à semana passada”, afirmou Weliton. De acordo com Oliveira, o posto Ipiranga da 112 Norte vendeu, na semana passada, mais de 30 mil litros de gasolina, por dia. Ontem, para atingir 20 mil litros, segundo ele, foi difícil. O frentista observou ainda que, por conta do aumento do preço da gasolina, a cada cinco clientes que o posto recebe, dois optaram por abastecer o carro com etanol.

A troca da gasolina pelo álcool, no entanto, não convence o servidor público Max Marinho, 41, e sua mulher Ellen Borges, corretora de imóveis, 41. Para eles, a troca não compensa, já que com etanol, o carro roda menos tempo. “Então, fica elas por elas”, disse Ellen. O casal destaca que, com o aumento, a preferência passa a ser pelo preço e não pela bandeira ou confiança no posto. “A gente abastece porque tem que abastecer, senão o carro para de andar. Mas estamos sempre procurando o menor preço”, confessou ele.

O reajuste do PIS-Cofins pode ser minimizado. A Petrobras anunciou recuo de 1,8% no preço médio da gasolina e de 3% no do diesel nas refinarias a partir de hoje. Pela nova política de preços da estatal, esses ajustes podem ser feitos até diariamente, levando em conta o preço internacional e o câmbio.

* Estagiária sob supervisão de Rozane Oliveira
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.