Setores de alimentação e bebidas têm 81 oportunidades de trabalho no DF

Empresas apostam em expansão dos negócios e procuram profissionais com iniciativa, visão inovadora e capacidade de liderança, entre outras características

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/08/2017 06:00 / atualizado em 01/08/2017 08:28

Apesar de o país ainda enfrentar dificuldades econômicas, o mercado de trabalho mostra os primeiros sinais de recuperação. No setor de alimentação, não é diferente, e as empresas estão apostando na expansão dos negócios, uma boa notícia para quem quer conquistar uma oportunidade no ramo. Levantamento do Correio mostra que há, no Distrito Federal, 81 vagas abertas em supermercados, padarias, lanchonetes, restaurantes e na indústria de bebidas.


Leia mais notícias em Economia

A coordenadora de Recrutamento & Seleção da Ambev em Brasília, Cecília Brasil, afirmou que a expectativa da empresa é “otimista” até o fim do ano. De acordo com ela, para quem quer se candidatar a uma das vagas ofertadas pela companhia (veja no quadro), é indispensável ter um perfil alinhado com a cultura da empresa, além de “interesse por desenvolvimento de novas tecnologias, capacidade de liderança e visão empreendedora”.

Reprodução


Há três meses, a administradora Rebeca dos Santos, 24 anos, conseguiu um emprego na companhia. Hoje, ela é analista de apuração e resultados da Ambev e é responsável pelas análises de preços e verbas de supermercados e atacados das regiões Centro-Oeste e Norte. “Nunca tinha trabalhado  diretamente nessa área. Antes, trabalhava com projeto socioeconômico na Estrutural, onde prestava consultoria para vários empreendimentos”, contou. “Procurava emprego na área de administração, mas me sinto livre na companhia para atuar em qualquer ramo em que tiver vontade”, afirmou.

Na empresa há pouco tempo, Rebeca comemora a possibilidade de crescimento na carreira. “Tenho a oportunidade de trabalhar em áreas diferentes da minha formação e tenho aprendido bastante. Os profissionais crescem na velocidade do talento e a partir da capacidade de entregar bons resultados”,  avaliou.

Cecília Brasil destacou que a formação escolar do candidato não é o mais importante na seleção. As experiências e vivências que o candidato já teve e a vontade de aprender coisas novas também pesam. “Fazemos entrevistas buscando saber melhor as experiências dos candidatos e entender se têm as competências e princípios que buscamos”, explicou. Além das vagas disponíveis, a empresa oferece um programa de trainee, que está com inscrições abertas. “Somos focados em contratar gente boa, treinar, engajar, motivar e dar espaço para crescimento contínuo”, ressaltou.



Para aproveitar as chances de crescimento profissional, a engenheira química Talyta Danyelle Lima, 25 anos, não teve dúvidas em tentar o setor de alimentação. Antes, ela trabalhava em uma empresa de sanitizantes, um tipo de desinfetante, mas, assim que soube de uma vaga na área, saiu de Uberaba para participar da seleção. Além da habitual entrevista, participou de avaliações de desempenho. “Durante o processo seletivo, fiquei dois dias em teste na empresa. Tive de acompanhar as linhas de produção para conhecer o trabalho e ter noção das atividades que teria que desempenhar na função”, contou. “Fiquei uns quatro dias esperando retorno, mas logo depois me ligaram dando a resposta positiva”, lembrou.

Hoje, Talyta é responsável por assegurar a qualidade dos refrigerantes produzidos pela Brasal. Para ela, os diplomas e a experiência ajudaram a conquistar a vaga. “Como, durante a faculdade, eu tinha feito estágio em uma empresa de refrigerantes concorrente e tenho pós-graduação em gerenciamento de projetos, acredito que tive um diferencial para me destacar”, avaliou. E a vontade, agora, é desempenhar a função com qualidade para ser reconhecida dentro da empresa. “Eu penso em crescer aqui dentro”, afirmou.

Na hora do processo seletivo, o candidato também pode se destacar pelas características pessoais e interpessoais e não só pelos atributos mostrados no currículo. “A experiência fica responsável por 50% da contratação, os outros 50% são determinados pelas qualidades do profissional. Protagonismo, capacidade de inovação, alegria, descontração, adaptabilidade, comprometimento e autonomia são algumas das características que buscamos nos nossos colaboradores”, explicou o gerente de Gestão de Pessoas da Brasal Refrigerantes, Carlos Cavalcante.

Apesar de ser mais difícil, há chances para quem vê no setor uma boa oportunidade para se inserir ou se recolocar no mercado de trabalho. Algumas funções mais básicas em padarias, supermercados e lanchonetes não exigem experiência na área. “Em alguns cargos, experiência é importante, mas, em outros, preferimos pessoas sem experiências para podermos ensinar de forma que o colaborador absorva melhor todas as técnicas. É importante termos bons profissionais, então às vezes é mais vantajoso formá-los”, afirmou a gerente administrativa da padaria La Boulangerie, Raquel Lopes. “Nossas expectativas são as melhores, pois estamos em expansão e o ramo gastronômico se mantém em crescimento”, afirmou.

*Estagiária sob supervisão de Odail Figueiredo.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.