Até dezembro, DF deve ter 3,9 mil oportunidades de trabalho temporário

Expectativa é de que 374 mil pessoas consigam uma vaga no país nos próximos quatro meses. Segundo pesquisa da Fecomércio-DF, 3,9 mil terão oportunidade em lojas até o fim do ano

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/09/2017 06:00 / atualizado em 05/09/2017 06:25

Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press


Conseguir uma chance no mercado de trabalho, mesmo que temporária, é o sonho dos brasileiros que amargam o desemprego. A demanda das festas de fim de ano aquece a indústria e o comércio, que devem ser responsáveis por contratar 374 mil pessoas, entre setembro e dezembro, de acordo com a Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem). Mesmo que a temporada de contratações esteja no início, já há oportunidades no Distrito Federal. Pelo levantamento do Correio, 105 vagas temporárias estão abertas.
A expectativa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio-DF) é que, até dezembro, 3,9 mil pessoas consigam um emprego temporário, 100 a mais do que em 2016. “Ano passado, tivemos um ano muito fraco. Temos sinais de melhora, mas ainda vamos demorar para atingir os números de anos atrás”, afirmou Adelmir Santana, presidente da Fecomércio-DF.

Para a diretora Regional da Asserttem no DF, Mara Bonafé, a melhora nas expectativas ocorreu devido à retomada da confiança dos empresários nos sinais de recuperação da economia. “Nos últimos meses, por conta do cenário econômico, houve reduções drásticas no quadro de funcionárioa. Mas é esperado que haja aumento nas vendas e, por isso, crescerá a procura por trabalhadores temporários, uma alternativa para atender a demanda”, argumentou.

As contratações começam neste mês, pois a indústria precisa de mão de obra para suportar o aumento da demanda das lojas. As principais empregadoras serão as fabricantes de bens de consumo, como vestuário, brinquedos, alimentos e bebidas, como a Brasal Refrigerantes, que empregará 40 pessoas, para funções comerciais e na linha de produção, em outubro. (veja quadro). Já nos últimos dois meses do ano, são shoppings, supermercados e comércio de rua que precisam de reforço no pessoal.
 
 

Recolocação


Em meio às dificuldades para conseguir um emprego, brasileiros agarram as vagas temporárias para conseguir se recolocar no mercado. Foi o que aconteceu com Bruna Gomes, 23 anos, no ano passado. Depois de um mês sem trabalhar, as festas de fim ano abriram portas para a vaga de vendedora. Preocupada com as contas de casa e as mensalidades da faculdade, ela entregou currículos em várias lojas. “Em dezembro,  chamaram-me para trabalhar por três meses em uma loja”, contou.

Mas, após o período determinado no contrato, Bruna conseguiu ser efetivada. “Viram que estavam precisando de funcionários e me perguntaram se eu queria o emprego. Estou na loja até hoje. Acho que me identifiquei com o perfil, por ser venda de roupas”, afirmou.

De acordo com a Asserttem, 8 mil vagas temporárias podem se tornar efetivas neste ano em todo o país. O professor da Universidade de Brasília (UnB) Jorge Fernando Valente de Pinho, especialista em Recursos Humanos, afirmou que o grande segredo para conseguir transformar a oportunidade em uma colocação fixa é se destacar entre os outros funcionários. “Tem que ser o mais capaz, interessado, desprendido e focado. Mostrar que tem bom relacionamento com o público e com a equipe”, aconselhou.

Além de ser uma luz no fim do túnel para quem está sem emprego, as vagas temporárias são boas oportunidades para quem quer ter a primeira experiência de trabalho. A expectativa é que 16 mil vagas sejam destinadas para jovens nessa situação. “É muito difícil conseguir um emprego com a carteira em branco. Essa oportunidade é valiosa para adquirir experiência, referência”, apontou Rodolfo Peres Torelly, especialista em mercado de trabalho. Para quem vai se candidatar a uma vaga, a disponibilidade de dias e horários pode ser um fator determinante para a contratação, pois o varejo funciona em turnos maiores, devido à proximidade das festas de fim de ano.

* Estagiária sob supervisão de Rozane Oliveira.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.