Brics faz alerta em cúpula contra 'políticas isolacionistas'

Na declaração final da 9.ª Cúpula do Brics, os cinco países se comprometeram a aprofundar seus laços financeiros, comerciais e de investimentos e a fortalecer sua coordenação macroeconômica

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/09/2017 08:50

Kenzaburo Fukuhara/AFP
Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (Brics) alertaram ontem contra tendências e políticas isolacionistas que afetam de maneira negativa a confiança do mercado e as perspectivas de crescimento global.

Na declaração final da 9.ª Cúpula do Brics, os cinco países se comprometeram a aprofundar seus laços financeiros, comerciais e de investimentos e a fortalecer sua coordenação macroeconômica.

No discurso de abertura do evento, o anfitrião Xi Jinping afirmou que há um amplo espaço para a ampliação dos negócios entre os parceiros do Brics, que respondem por 23% do PIB e 40% da população mundial. Xi observou que dos US$ 197 bilhões de investimentos externos feitos pelo Brics em 2016, apenas 5,7% foram destinados a negócios nos países do bloco.

O anfitrião defendeu que os cinco países explorem as complementaridades de suas estratégias de desenvolvimento e adotem medidas pragmáticas. "Nós ainda precisamos explorar todo o potencial da cooperação do Brics", ressaltou Xi.

Os integrantes do Brics foram vistos como a grande promessa da economia mundial no começo da década passada, quando eram impulsionados pela alta no preço das commodities e o sucesso da integração da China e da Índia a cadeias produtivas globais. 

Mas a queda no preço de minérios e petróleo atingiu em cheio as performances de Brasil, Rússia e África do Sul. China e Índia mantiveram elevados índices de crescimento e aumentaram seu peso relativo dentro do grupo. Hoje, a economia chinesa é maior que a soma das de seus quatro parceiros.

"Observamos que contra o cenário de crescimento global mais sólido, maior resiliência e novos motores (de crescimento), os países do Brics continuam a desempenhar um papel importante como motores do crescimento global", apontou a declaração final do encontro.

Investimentos


O documento encampou o arcabouço institucional defendido pelo Brasil para acordos de facilitação de investimento entre países, em contraposição aos acordos de proteção de investimentos promovidos pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). 

O modelo dos países desenvolvidos favorece a posição das empresas e prevê que eventuais conflitos entre elas e os Estados soberanos serão resolvidos por arbitragem, fora da jurisdição do governo envolvido. O Brasil propõe que sejam solucionados por um fórum de alto nível. 

No discurso de abertura da cúpula, Xi anunciou que a China destinará o equivalente a R$ 240 milhões a um fundo para troca de experiências e facilitação de comércio e investimentos entre os países do bloco. Pequim também destinará US$ 4 milhões ao banco do Brics. 

Os valores são ínfimos quando comparados aos US$ 124 bilhões que a China prometeu destinar à iniciativa Um Cinturão, Uma Rota, durante evento sobre o assunto em maio.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.