Sites de descontos são boa opção para quem quer gastar menos

Por meio deles, é possível adquirir jantares, ingressos para cinema e outros programas culturais e até mesmo viagens por metade do valor original

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press


Comprar algo com desconto e de forma prática é uma boa oportunidade para economizar. Os sites de cupons e compras coletivas conquistaram os brasileiros nos últimos anos pela variedade de anúncios e, principalmente, pelo preço baixo de programas e serviços. É possível adquirir jantares, ingressos para cinema e outros programas culturais e até mesmo viagens por metade do valor original.
 

A ideia não é nova. O modelo surgiu em 2008, nos Estados Unidos, e se espalhou rapidamente pelo mundo. As promoções podem ser tentadoras. Em uma viagem de quatro noites para um casal, com destino ao Rio Quente, em Goiás, por exemplo, é possível economizar 74%, ou pagar apenas metade do preço em ingressos de cinema.

Os benefícios dessa modalidade de compra, porém, podem ir além da diferença no preço, de acordo com o cofundador do site Peixe Urbano, Alex Tabor. “Turistas que vão ao Rio de Janeiro, por exemplo, recebem uma oferta para o ingresso no aquário da cidade, que é vendido no site pelo mesmo valor da bilheteria. Mas o ingresso é o próprio código no celular e o cliente não precisa enfrentar fila”, explica.

Apesar das ofertas tentadoras, é preciso tomar alguns cuidados. A sedução das promoções pode incentivar os consumidores a adquirirem um produto sem pensar se realmente precisam ou se têm como pagar por ele. “Planejamento financeiro é indispensável. Mesmo que o programa custe menos, é necessário o controle dos gastos para não estourar o orçamento”, aconselha o professor de finanças do Ibmec Marcos Melo. “É preciso questionar se a compra preenche uma necessidade e se será útil”, ensina.

Às vezes, usuários compram uma quantidade de promoções tão grande que não dão conta de usufruir delas antes do vencimento, como aconteceu com a estudante Nathália Tolentino, 22 anos. Ela não percebeu que era necessário agendar a data em que gostaria de jantar em um restaurante e acabou perdendo o prazo.

Mesmo tendo enfrentado esse problema, Nathália sempre está de olho nos anúncios. “Nunca tive nenhuma experiência ruim em algum serviço contratado pelos sites e, geralmente, a comida é ótima”, afirma. Além de garantir um alívio para o bolso, a jovem percebeu que os cupons são uma boa chance de conhecer lugares e produtos novos de uma forma mais barata. “Procuro por ofertas em restaurantes mais caros. Tem prato que sai para duas pessoas pelo preço de uma”, garante.
 
 
 
É preciso também checar informações, mesmo que o site informe a diferença entre os valores cobrados e o custo original do produto ou serviço. Em alguns casos, o preço é o mesmo da tabela do estabelecimento ou os preços originais são elevados para que pareça que o desconto é ainda maior.

A empresária Aletussa Bagno Branquinho, 45, relata que, logo que começou a usufruir dos descontos, há cinco anos, deixou-se levar por promoções tentadoras. “Saí comprando para aproveitar os preços baixos. Mas logo percebi que não pode ser assim. Alguns descontos venceram e, como à época não tinha estorno, perdi dinheiro”, lamenta. Aletussa diz que, hoje, busca confirmar se, na data em que o cupom será usado, ela e os familiares estarão disponíveis. A empresária aproveita cupons de restaurantes para jantar com a família sem gastar muito, e para curtir shows.

Para a planejadora financeira e professora da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Myrian Lund, é essencial ter em mente que, mesmo pequenas compras com descontos, quando somadas, pesam no orçamento. “Se bem utilizados, esses sites são ótimos e importantes para ajudar a realizar o que você quer. Os descontos devem vir após a decisão de comprar um produto, e não a vontade aparecer porque algo está em promoção”, frisa.

* Estagiária sob supervisão de Odail Figueiredo
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.