Fraga: classe política é incapaz de governar com senso de desenvolvimento

"É também uma crise institucional", afirmou o ex-presidente do Banco Central

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/10/2017 18:43

O Brasil vive sua pior recessão de todos os tempos e com a classe política sendo "incapaz de governar o País com senso de desenvolvimento com D maiúsculo e com visão de longo prazo", disse o sócio fundador da Gávea Investimentos, o ex-presidente do Banco Central (BC) Armínio Fraga, durante palestra neste terça-feira (3/10). "É também uma crise institucional".


"Estamos em um momento extremamente complicado no País, com crise econômica, a maior recessão de todos os tempos, uma crise política, uma crise institucional, a menor de todas porque as instituições estão funcionando, mas não se entendendo muito bem, e uma crise moral", disse Fraga, em apresentação no Congresso do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC).

Fraga disse que esse conjunto de crises tem uma raiz em comum, sendo que a manifestação mais direta foi a incapacidade de ação no Estado. "É um quadro em que as relações de causa e efeito se perdem um pouco no tempo", disse, apontando que na sua visão todas essas crises terão de ser enfrentadas de forma paralela.

Segundo ele, os problemas vistos hoje não foram apenas causados por um "grupo que tomou conta do Estado, que escolheu um modelo econômico ruim e se apropriou do Estado em benefício próprio, foi muito mais do que isso", destacou.

 

Leia mais notícias em Economia

 

O ex-presidente do BC ressaltou que os problemas brasileiros têm se mostrado resistentes ao tratamento. "A doença é difícil e os sinais estão aí: corrupção, recessão, violência, desordem, populismo", disse ele. Para Fraga, não é de se surpreender que neste ambiente ocorra uma "imensa e crescente rejeição" à classe política e seus partidos. "Isso assusta um pouco", disse ele, ressaltando que é a favor da renovação da classe política.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.