'Minha relação com Rabello de Castro é cordial', diz Meirelles

Na terça-feira (3/10), por exemplo, em cerimônia no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, Rabello de Castro disse que a situação do banco é confortável

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/10/2017 18:01

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta quinta-feira (5/10), que a sua relação com presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, é cordial. Meirelles fez esta afirmação ao ser perguntado sobre como é seu relacionamento com o Rabello, que mesmo em público não tem poupado críticas severas à Taxa de Longo Prazo (TLP), à política monetária e tem sido bastante enfático na impossibilidade de o banco de fomento antecipar a devolução ao Tesouro Nacional de um total de R$ 180 bilhões.


Na terça-feira (3/10), por exemplo, em cerimônia no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, Rabello de Castro disse que a situação do banco é confortável, "mas não para a União Federal dizer que vai sacar quantidade que, em termos de magnitude, de bilhões, é completamente incompatível com a combinação feita". Para Rabello, a incompatibilidade entre o combinado com o BNDES e o que está sendo pedido agora pela União - devolução de R$ 180 bilhões ao caixa do Tesouro - reside no fato de que o banco de fomento recebeu títulos com prazos de 2051 e 2025.

Meirelles evitou o embate público. "Evidentemente que os dirigentes de cada órgão público têm seu interesse legítimo de defender o máximo possível de recursos para aquela instituição", disse Meirelles. Por outro lado, disse o ministro, "nós temos que olhar o interesse público do País em um momento em que temos uma situação fiscal que de fato tem desafios importantes".

 

Leia mais notícias em Economia


"Estamos falando de reforma da Previdência com o sacrifício de todos, mas não podemos ignorar recursos que estão em determinadas instituições e que não têm o uso previsto para este ano e o próximo", disse Meirelles, para quem o governo tem que trabalhar com prioridades. De acordo com o ministro, é legítimo que haja o debate e ele disse ainda que gosta de ver cada responsável por um setor defender o seu setor. "Mas o nosso papel é olhar o País como um todo", disse.

Meirelles fez palestra nesta quinta-feira no 38º Congresso da Associação Brasileira de Previdência das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp).

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.