Dívida faz mal à saúde mental dos inadimplentes, aponta pesquisa

Pesquisa re­a­li­za­da pe­lo SPC e pe­la CN­DL com con­su­mi­do­res inadim­plen­tes em to­do o país mos­tra que o en­di­vi­da­men­to cau­sa pro­ble­mas co­mo an­si­e­da­de, an­gús­tia e bai­xa au­to­es­ti­ma

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/10/2017 08:29

Reprodução/Estado de Minas
Não é ape­nas o bol­so dos bra­si­lei­ros que es­tá so­fren­do com a cri­se eco­nô­mi­ca: os efei­tos do en­di­vi­da­men­to che­ga­ram com for­ça na men­te de­les. Pes­qui­sa rea­li­za­da pe­lo Ser­vi­ço de Pro­te­ção ao Cré­di­to (SPC Bra­sil) e pe­la Con­fe­de­ra­ção Na­cio­nal de Di­ri­gen­tes Lo­jis­tas (CN­DL) mos­tra que 69% dos con­su­mi­do­res inadim­plen­tes es­tão mais an­sio­sos – um cres­ci­men­to de no­ve pon­tos per­cen­tuais em re­la­ção ao ano pas­sa­do. E não é só: uma ou­tra sé­rie de sen­ti­men­tos vem ator­men­tan­do a po­pu­la­ção do país, tais co­mo in­se­gu­ran­ça (69%), es­tres­se (64%), an­gús­tia (61%) e de­sâ­ni­mo (58%).

A pes­qui­sa ou­viu 600 con­su­mi­do­res inadim­plen­tes há pe­lo me­nos 90 dias, de to­das as clas­ses so­ciais nas 27 ca­pi­tais bra­si­lei­ras, com uma mar­gem de er­ro de qua­tro pon­tos per­cen­tuais. Os nú­me­ros mos­tram ain­da que um quar­to dos inadim­plen­tes ou­vi­dos (25%) ad­mi­te ter se tor­na­do mais de­sa­ten­to e me­nos pro­du­ti­vo no tra­ba­lho após o en­di­vi­da­men­to – tam­bém no­ve pon­tos per­cen­tuais aci­ma do que foi apu­ra­do em 2016. Dian­te des­sa si­tua­ção, 21% es­tão mais ir­ri­ta­dos com os co­le­gas de tra­ba­lho.

O aper­to le­vou a uma no­va pos­tu­ra dos bra­si­lei­ros no dia a dia: 71% dos en­tre­vis­ta­dos abri­ram mão de coi­sas que con­su­miam an­tes e 64% cor­ta­ram gas­tos com rou­pas e sa­pa­tos. As saí­das pa­ra ba­res e res­tau­ran­tes fo­ram re­du­zi­das em 57%, en­quan­to 48% cor­ta­ram ali­men­tos su­pér­fluos e 47% es­tão evi­tan­do gas­tos até mes­mo com itens de pri­mei­ra ne­ces­si­da­de. Por ou­tro la­do, o ví­cio au­men­tou. A ca­da 10 pes­soas que par­ti­ci­pa­ram do le­van­ta­men­to, duas des­con­tam a an­sie­da­de no ci­gar­ro, ál­cool ou co­mi­da.

Quem não tem ví­cios es­tá bus­can­do al­gum ti­po de ati­vi­da­de pa­ra es­que­cer os pro­ble­mas. Es­sa foi a al­ter­na­ti­va en­con­tra­da por 47% das pes­soas que res­pon­de­ram ao ques­tio­ná­rio. Ou­tros mes­mos 47% dos inadim­plen­tes par­ti­ram pa­ra a prá­ti­ca de al­gu­ma ati­vi­da­de que os fa­çam es­que­cer os pro­ble­mas ge­ra­dos por suas dí­vi­das.

Até por­que, au­men­tou nos úl­ti­mos me­ses o per­cen­tual de en­tre­vis­ta­dos que es­tão mais preo­cu­pa­dos por se en­con­trar com as fi­nan­ças em di­fi­cul­da­de. No ano pas­sa­do, os inadim­plen­tes com al­to ní­vel de preo­cu­pa­ção eram 42% e, nes­te ano, eles so­mam 56%. Ape­nas 6% dos en­tre­vis­ta­dos po­dem se ga­bar de não ter ne­nhu­ma preo­cu­pa­ção com a con­ta ban­cá­ria, en­quan­to 12% dis­se­ram que o ní­vel de preo­cu­pa­ção é bai­xo ou mui­to bai­xo.

Aler­ta Dian­te de um nú­me­ro tão pe­que­no, o edu­ca­dor fi­nan­cei­ro do SPC Bra­sil Jo­sé Vig­no­li tem na pon­ta da lín­gua o dis­cur­so pa­ra o mo­men­to de cri­se. “As pes­soas têm que ver a cri­se co­mo um apren­di­za­do, e não ape­nas co­mo um mo­men­to pa­ra re­cla­ma­ção. O mo­men­to é de ana­li­sar se real­men­te es­ta­va vi­ven­do no seu pa­drão, se es­ta­va pre­pa­ra­do pa­ra uma cri­se. E se a vi­da vol­tar ao nor­mal, não po­de vol­tar a ter os mes­mos há­bi­tos que o le­va­ram a es­se en­di­vi­da­men­to e con­su­mo ex­ces­si­vo”, aler­ta Vig­no­li.

E en­ga­na-se quem pen­sa que a fal­ta de con­tro­le so­bre as fi­nan­ças es­tá res­tri­ta às clas­ses mais bai­xas. A pes­qui­sa mos­trou que es­se é um pro­ble­ma que atin­ge to­das as clas­ses so­ciais. “O con­tro­le das con­tas in­de­pen­de da quan­ti­da­de de di­nhei­ro”, ex­pli­ca. Des­sa for­ma, a me­lhor ma­nei­ra de en­fren­tar o pro­ble­ma é se or­ga­ni­zar pa­ra con­se­guir pou­par o má­xi­mo pos­sí­vel, ou pe­lo me­nos 10% da ren­da to­tal. “Es­se dis­cur­so dá a im­pres­são de que não é pa­ra gas­tar, ou não se quer que as pes­soas pro­gri­dam, mas é o con­trá­rio. O que de­fen­de­mos é que é pre­ci­so cons­ciên­cia do di­nhei­ro, o que mui­tas pes­soas tam­bém da clas­se A não têm.”
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Flavio
Flavio - 20 de Outubro às 13:42
O que deveria causar ânsia é a incapacidade de se manter uma vida financeira equilibrada.