Prévia da inflação sobe 0,34% e põe fim à desaceleração dos preços

Os custos se devem a um aumento de 5,36% nos combustíveis domésticos, aponta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/10/2017 09:39

O arrefecimento da inflação acabou. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), considerado como a prévia do custo de vida oficial, subiu 0,34% em outubro. No mesmo período do ano passado, a alta havia sido de 0,19%. Com o resultado, a carestia no acumulado em 12 meses avançou para 2,71%, mostrando um sinal de aceleração, após uma ampla trajetória de desaceleração. 

A alta na prévia de outubro foi puxada por uma pressão exercida pelo grupo de habitação, que subiu 0,66%. Os custos se devem a um aumento de 5,36% nos combustíveis domésticos, aponta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), autor da pesquisa. O item dessa categoria de despesas que mais subiu foi o gás de botijão. Os custos registraram crescimento de 5,72%, tendo sido responsável pelo maior impacto individual do IPCA-15, de 0,07 ponto percentual.

O desempenho da inflação na prévia, que analisa um período acumulado de 30 dias encerrados em 15 de outubro, já era esperado pelo mercado. Os agentes econômicos já esperavam por um crescimento da variação de preços nos últimos três meses do ano, provocado por um efeito de substituição de taxas menores, no mesmo período do ano passado, por índices maiores neste último trimestre. Sobretudo pelos custos com alimentos.

Na primeira metade de outubro, os gastos médios com alimentação e bebidas caíram 0,15%. Embora tenha se mantido em um campo negativo, o recuo é bem mais modesto do que nos meses anteriores. Em setembro, por exemplo, a queda havia sido de 0,94%. Esse movimento está ligado a um reequilíbrio de uma oferta mais normal para o período. Não há garantia de que os preços dos alimentos vão disparar. Mas também não deverão o mesmo patamar mais barato em relação a meses atrás.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.