Reunião entre poupadores e bancos sobre planos econômicos será no dia 8

As duas partes tentam chegar a um acordo, com a intermediação da AGU, desde o ano passado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/11/2017 17:07 / atualizado em 07/11/2017 16:23

A Advocacia-Geral da União (AGU) informou ao Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado), por meio de sua assessoria de imprensa, que a reunião entre representantes de poupadores e bancos a respeito das perdas geradas pelos planos econômicos das décadas de 1980 e 1990 ocorrerá na quarta-feira (8/11), às 10 horas. As duas partes tentam chegar a um acordo, com a intermediação da AGU, desde o ano passado.


No último encontro, na terça-feira passada (31/10), os representantes de poupadores e bancos discutiram os valores dos pagamentos a serem feitos pelas instituições financeiras. As propostas das entidades de poupadores e da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), no entanto, seguiam distantes, o que fez alguns participantes verem menos chances de um acordo ser, de fato, alcançado.

A proposta dos poupadores era de desconto de 15% a 20% sobre os montantes devidos pelos bancos, dependendo da categoria em que a ação está enquadrada. Este parâmetro tem como referência acordos menores fechados pelos próprios bancos na Justiça, nos últimos anos. Já a proposta da Febraban é mantida sob sigilo. Ficou acertado que as partes apresentarão contrapropostas em relação aos valores nesta semana.

Desde o ano passado, a AGU vem intermediando as conversas. À frente das discussões está a ministra Grace Mendonça. O objetivo é chegar a um acordo para dar fim a milhares de ações que se arrastam há décadas por várias instâncias da Justiça brasileira.

Essas ações reivindicam o pagamento das perdas referentes aos planos Cruzado, Bresser, Verão, Collor I e Collor II, das décadas de 1980 e 1990. As partes envolvidas têm evitado estimar um total para o acordo, justamente porque o valor dependerá do desconto a ser aplicado. No início de setembro, falava-se em algo entre R$ 8 bilhões e R$ 16 bilhões.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.