Organizar roteiros de Natal e réveillon em cima da hora pode sair caro

Especialistas dão dicas para economizar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
Quando o fim de ano se aproxima, a vontade de viajar sempre aumenta, mas muitas pessoas deixam para se organizar no último instante, quando tudo costuma ficar mais caro. Mas sempre é possível tomar algumas atitudes para economizar. O engenheiro Kaie Pimentel, 27 anos, que vai sair de Brasília com destino a Porto Alegre, na época do Natal, optou por percorrer de carro os 2,1 mil quilômetros até a capital gaúcha. “A passagem aérea ficaria muito mais cara. Além disso, o veículo dará muito mais comodidade, até porque pretendemos visitar outras cidades, como Gramado”, diz.

Os especialistas, porém, recomendam sempre colocar todos os gastos no papel. A viagem de avião pode ser mais vantajosa, principalmente quando o trajeto é longo. O carro demanda vários gastos, como pedágios, revisão, gasolina e possíveis manutenções. Por isso, o ideal é fazer um planejamento prévio. O educador financeiro Sílvio Bianchi enumera algumas questões a serem levantadas antes de se organizar: destino, custo, período, limite de gastos e economias. Na reta final, é necessário poupar o máximo e aproveitar qualquer gratificação extra, como décimo terceiro salário e férias.

Definidos esses itens, o consumidor precisa estimar, principalmente, os custos do transporte e de hospedagem. Mas Bianchi destaca que despesas com alimentação, deslocamento no destino, ingressos de passeios e presentes para familiares e amigos também têm peso significativo. “A pergunta essencial é: posso pagar essa viagem ou vou me endividar? Dependendo da resposta, pode ser um sinal para parar e pensar se esse destino e roteiro são mesmo necessários”, afirma.
Uma alternativa é dividir os custos da viagem com amigos. É o que indica Paulo Sain, sócio do Minhas Economias. Segundo ele, além de pesquisar locais mais em conta, a pessoa pode convidar amigos para “rachar” o aluguel de uma casa ou apartamento. “É bem mais barato que um hotel, e a despesa será dividida com outras pessoas. Além disso, os turistas podem optar por cozinhar no apartamento e evitar gastar nos restaurantes, o que não é possível na maioria dos hotéis”, destaca.

Os especialistas enfatizam que não adianta insistir numa viagem se a pessoa estiver sem condições financeiras. Rogério Olegário, consultor financeiro da Libratta, conta que não dá mais tempo para aproveitar preços baixos nas passagens e hotéis, principalmente nas cidades mais badaladas. “Agora, tudo estará mais caro. Esse planejamento é para ser feito antes. A mesma passagem que custava     R$ 400 em julho é encontrada, hoje, por R$ 1,2 mil devido à alta temporada”, exemplifica.

Por isso, o professor Eduardo Gonçalves Barbosa, 33, costuma se preparar com antecedência. Ele adota a mesma política há três anos: “Quando terminam as férias do meio do ano, começo a procurar preços em cidades de praia do Nordeste”. A escolhida em 2017 foi Aracaju. Ele comprou a passagem e a hospedagem por pacote, opção mais barata. “Quando decido, parcelo sempre, até porque uma viagem dessas para mim, minha esposa e meu filho custa cerca de R$ 4 mil. Uso o boleto bancário para não encher o meu cartão de crédito”, diz.

O professor de finanças pessoais Jurandir Sell Macedo explica que não há problema em não viajar, principalmente em casos de aperto financeiro. Ele diz que é melhor a pessoa preparar uma viagem para o futuro, em baixa temporada, ou fazer algo simples, que não exija muitos gastos. “Muitas pessoas conhecem o Caribe, mas não o próprio local em que vivem. Elas podem tirar um tempo para fazer uma viagem curta nas proximidades, sem muita despesa e preocupação”, destaca.

A enfermeira obstetra Ivanilde Rocha, 55, unirá toda a família para passar o Natal em Caldas Novas. Ela conta que, como vai a família toda, a logística é melhor. “Fizemos a conta e de carro fica mais tranquilo. Se fôssemos de avião, teríamos de alugar um carro por lá”, diz.

Vale lembrar que todo ano começa com uma série de despesas, como as contas de IPVA, IPTU, matrícula, uniforme e material escolar, entre outras. “O início do ano já é uma época de grandes gastos para a maioria das famílias, e a viagem escolhida para o lazer de fim de ano não pode gerar dívidas que prejudiquem o orçamento”, observa Bianchi.

O Correio fez um levantamento de preços de viagens para o Natal e réveillon com base nas cidades do Rio de Janeiro, Fortaleza, São Paulo, Natal e Florianópolis. Todas as simulações de passagens partem de Brasília. Os períodos escolhidos são de 23 a 27 de dezembro e de 29 de dezembro a 3 de janeiro. Na primeira pesquisa, a capital carioca teve as tarifas com valores mais baixos, de R$ 605 ida e volta, seguida de São Paulo (R$ 681), Florianópolis (R$ 754), Fortaleza (R$ 1.197) e Natal (R$ 1.262). Na viagem de fim de ano, São Paulo tem a passagem mais barata, de R$ 461 ida e volta. Em seguida, Florianópolis (R$ 1.036), Rio de Janeiro (R$ 1.055), Natal (R$ 1.849) e Fortaleza (R$ 2.086).

* Estagiária sob supervisão de Simone Kafruni 

“Muitas pessoas conhecem o Caribe, mas não o próprio local em que vivem. Elas podem tirar um tempo para fazer uma viagem curta nas proximidades, sem muita despesa e preocupação”
Jurandir Sell Macedo, professor de finanças pessoais
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.