Editor executivo do Correio entre os 10 jornalistas mais admirados do país

"Esse prêmio é um reconhecimento ao bom jornalismo. Mostra o quanto a informação de qualidade vale ouro, sobretudo nestes tempos de fake news", afirmou Vicente Nunes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/11/2017 06:00

Luis Nova/Esp. CB/D.A Press


O editor executivo do Correio Braziliense, Vicente Nunes, está entre os 10 nomes mais prestigiados do jornalismo econômico brasileiro pelo segundo ano consecutivo. A premiação aos Top 50 Os Mais Admirados da Imprensa de Economia, Negócios e Finanças, feita pela newsletter Jornalistas&Cia e pelo portal Maxpress, ocorreu ontem em São Paulo.


Leia as últimas notícias em Economia

“Esse prêmio é um reconhecimento ao bom jornalismo. Mostra o quanto a informação de qualidade vale ouro, sobretudo nestes tempos de fake news”, comentou Vicente, que tem no currículo  três prêmios Esso de Informação Econômica.

Paulista de Guaratinguetá, Vicente Nunes é jornalista há 30 anos, formado pela Universidade Gama Filho (RJ), passou por órgãos como Jornal do Comércio, O Globo, Jornal do Brasil e Agência Estado, além do Correio, pelo qual foi repórter, correspondente em Nova York e editor de economia. Hoje, além de editor executivo, assina o blog diário Blog do Vicente, no site do jornal.

O prêmio, com patrocínio de BTG Pactual, Deloitte e Gerdau, apoio de Latam, Abrasca e Ibri, listou mais de 400 profissionais. No final, foram selecionados os 50 mais votados por mais de 53 mil jornalistas e profissionais de comunicação de todo o país.

Eduardo Ribeiro, diretor da Jornalistas&Cia, explicou que o objetivo da premiação é valorizar os profissionais que trabalham diariamente para traduzir a informação de economia para a maioria da população. “O jornalismo passa por transformações que colocam desafios para os profissionais e veículos. O jornalismo econômico, assim como o político, tem sido a grande âncora de jornalismo brasileiro”, disse.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.