Ibovespa oscila em patamar de alta recorde nesta quinta-feira

Para especialistas, expectativa do julgamento de Lula no dia 24 e crença na manutenção da política macroeconômica explicam alta na bolsa brasileira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/01/2018 16:35 / atualizado em 04/01/2018 16:45

AFP PHOTO/YASUYOSHI CHIBA

 
O Ibovespa bate recordes ao longo desta quinta-feira (4/1), oscilando na casa dos 79 mil pontos. Analistas apontam vários fatores favoráveis puxando o principal índice que mede a variação de preços das ações no Brasil. Entre eles, as especulações no cenário político. Uma parcela do mercado aposta que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode ser condenado no julgamento do próximo dia 24 e sair do páreo das eleições majoritárias de outubro.

"O julgamento do Lula em Porto Alegre (TRF4) pode desencadear melhoras para o risco Brasil e para o risco político", comenta o consultor financeiro Demetrius Lucindo. "Eu acho um pouco de frenesi, meio temerário, porque as coisas não estão tão bem assim no Brasil", diz ele, avaliando, de forma geral, o recorde na bolsa.

Para João Augusto Sales, a Lopes Filho Consultores de Investimentos, o comportamento da bolsa segue os bons fundamentos macroeconômicos internos e externos.

"Há uma conjunção favorável de fatos, principalmente a percepção dos investidores de que não haverá retrocesso nas variáveis macroeconômicas", diz. O que significaria a manutenção da trajetória de queda dos juros no longo prazo, inflação sem pressão de alta por preços ou por demanda (mercado de trabalho ainda pouco aquecido).

Além disso, o mercado "já precificou" a reforma da Previdência, ou seja, não espera que ela seja votada em 2018. "Seja quem for eleito presidente, terá que enfrentar as reformas em 2019", acentua.

 
Cenário externo 

 
Do lado externo, ele aponta indicadores da China melhores do que o esperado e também os Estados Unidos, onde a economia “vai muito bem, apesar da política monetária expansionista”.

Sales menciona ainda que há ingresso maciço de capital estrangeiro para a compra de ativos na bolsa. E Lucindo cita que os juros em baixa abrem o apetite dos investidores por maiores riscos, ou seja, há aplicações fortes, também, do investidor doméstico no mercado de capitais. "É ciclico: sempre que os juros caem, as pessoas procuram alternativas para seus investimentos, como a bolsa", explicou.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.