Jornal Correio Braziliense

Desafio mostra que pensar junto leva a soluções mais criativas nos negócios

Encontro da EI! Comunidade de Empreendedorismo traz desafio prático para mostrar como co-criação, inovação e estratégia podem trazer melhores resultados para os negócios

Camila de Magalhães

Bate-papo Ei! Explore com os designers Marcela Moraes e Vinícius Marinho trouxe reflexão sobre como é importante mudar a forma de pensar para ganhar mais produtividade ao empreender. - Foto: Camila de Magalhães/FAC/D.A Press 
O que você faria se recebesse 20 palitos de espaguete, um pedaço de barbante, fita adesiva e um marshmellow para colocar no topo, e tivesse que montar a estrutura mais alta possível, competindo com outros grupos? Esse foi o desafio colocado para os participantes do bate-papo EI! Explore – A arte de criar resultados em equipe, realizado na última terça-feira (6/2), pela EI! Comunidade de Empreendedorismo e Inovação da Fundação Assis Chateaubriand. Durante 18 minutos, os grupos tiveram que planejar, testar e deixar em pé suas torres de macarrão. Conduzida pela designer e empreendedora social Marcela Moraes e pelo designer estratégico Vinícius Marinho, a dinâmica levou uma série de aprendizados sobre colaboração, inovação, prototipagem, estratégia e produtividade, que podem revolucionar a forma de empreender e atuar nos mais diversos tipos de ambientes de trabalho.

Na avaliação de Marcela Moraes, para enfrentar um mundo em mudança de paradigmas, em que as relações de trabalho e de consumo ganham novos significados, é preciso criar soluções relevantes e envolver pessoas com diferentes experiências nesses processos, abraçando os conceitos de co-criação e colaboração. “A grande sacada é não desenvolver uma solução sozinho, mas ter a capacidade de abarcar vários olhares dentro de uma solução. Isso geralmente leva a resultados melhores. Trazer os insights do meio externo e aplicar no mundo real, trazer o olhar do seu cliente, para quem você vende ou seus públicos de interesse. Com visões que nem sempre são as suas, você fortalece o seu negócio”, observa a especialista.

Na realidade do empreendedorismo, as transformações são constantes, alerta Vinicius Marinho: “Pensando nessa lógica de startups e tudo mais, estamos num contexto em que organizações tradicionais já não fazem mais sentido, não conseguem se desenvolver mais. Tem startups que começam de repente e conseguem desbancar qualquer organização estruturada, estável, mas burocrática. É possível estar mais preparado para as mudanças que estão acontecendo e aprender mais rápido com o ambiente, ter um resultado no futuro com custos menores, objetivos mais realistas, mais práticos e que ajudam a gente a inovar. Não só ter uma visão de longo prazo e ficar nela o tempo inteiro, mas realmente aprender com a situação em que está envolvido e desenvolver uma solução melhor.” Para ele, a ideia de trabalhar com um protótipo antes de reproduzir algo em grande escala é valiosa. “É importante entender que a gente pode começar menor as coisas, de forma mais simples, com menos esforço, menos custo e aprender com isso”, completa Vinícius.


Nunca é tarde para inovar


Envolvido com o meio acadêmico e tecnológico, o aposentado José Augusto Almeida, 71 anos, fez questão de participar do desafio para se conectar com novas pessoas e mergulhar em um ambiente de empreendedorismo. “Achei interessante a ideia de quebrar o gelo, abrir para a inovação e discutir sobre esse projeto que criamos em pouco tempo. Sempre vale a experiência. Tenho um espírito jovem para aprender novas coisas”, comentou.

Quem também aproveitou o aprendizado foi Giovana Salomão, 20 anos, presidente organizacional da CSTQ Júnior, empresa júnior da Universidade de Brasília (UnB). “A gente conseguiu compartilhar bastante conhecimento. A parte da construção em grupo foi muito legal, deu para conhecer o pessoal e trocar muitas ideias. Na nossa empresa, a gente trabalha muito com metodologia ágil, busca sempre inovar, ter melhorias. Foi interessante pensar que não posso ficar só planejando e nunca colocar em prática, senão a torre de macarrão nunca teria subido. Tenho que planejar, testar, ver o que errei, testar de novo e fazer acontecer. É um lembrete constante.”


Agenda


O próximo encontro Ei! Explore está previsto para 8 de março, na EI! Comunidade de Empreendedorismo e Inovação da Fundação Assis Chateaubriand. Para participar, é preciso se inscrever previamente. A proposta de ingressos é colaborativa. Os participantes definem o valor e contribuem para a realização de mais eventos. Para acompanhar a agenda, acesse www.ei.org.br ou www.facebook.com/ComunidadeEi O e-mail de contato da EI é: ei@facbrasil.org.br