SIGA O
Correio Braziliense

Família unida mantém a primeira loja especializada em molduras da capital

Infeliz no emprego, Higino abriu a Casa da Moldura e levou a família para trabalhar no negócio

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/04/2016 07:50 / atualizado em 21/04/2016 17:40

Marina Adorno - Especial para o Correio

Vinícius Santa Rosa/Esp. CB/D.A Press

Higino França, 60 anos, nasceu no Rio de Janeiro. Edneida França, 60, em Pernambuco. Os caminhos dos dois, porém, se cruzaram em terras candangas. Foi aqui, enquanto cursavam economia no Centro Universitário de Brasília, que eles se conheceram e começaram uma trajetória comum.  Em 1981, casaram-se. Dois anos depois, nasceu Aline e, em 1986, o caçula, Renato.

Funcionários públicos, Higino trabalhava no Ministério da Saúde e Edneida, na Caixa Econômica Federal. Até que, em 1988, ele percebeu que não estava mais feliz no emprego. Resolveu, então, arriscar-se em outra carreira. Higino França vendeu a fazenda da família e, com o dinheiro, abriu a primeira loja especializada em molduras de Brasília, a Casa da Moldura. “Ser mais uma loja de molduras não nos bastava. Naquela época, todas as empresas que trabalhavam com molduras eram vidraçarias. Não havia exclusividade.”

O empresário começou a viajar o país em busca de materiais diferentes para oferecer à clientela que buscava conquistar. A empresa cresceu; os filhos, também. Logo, começaram a participar ativamente da empresa. Durante a adolescência, Aline e Renato trabalhavam na loja da Asa Norte, aos sábados, para garantir a mesada. Renato se formou em nutrição e Aline, em arquitetura. Atualmente, ela fica à frente da loja da Asa Sul. Por conta do consultório, Renato não trabalha mais nas lojas da família, mas faz questão de participar de todas as decisões, como antes.

Higino explica que a família é extremamente unida, e revela o segredo para o bom funcionamento de um negócio familiar. “Alguns dos pontos altos da nossa convivência são exatamente a moderação, a ponderação e a paciência”, destaca. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade