SIGA O
Correio Braziliense

Filhos de maranhense tocam empresa fundada em Brasília antes da inauguração

Empresário Getúlio Pinheiro de Brito chegou a terras candangas a convite de JK; aqui, ele fincou raízes, forneceu material para a construção dos prédios da capital e prosperou ao lado da mulher, filhos e netos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/04/2016 19:00 / atualizado em 21/04/2016 18:34

Arquivo Pessoal
 

 

Quando Getúlio Pinheiro de Brito, 85 anos, chegou a Brasília, a futura capital do país ainda era um grande canteiro de obras. Assim como ele, os primeiros habitantes eram pessoas de diversas regiões do país, principalmente do Nordeste. O maranhense veio ocupar parte das terras, antes dominadas pelo cerrado, a convite do presidente Juscelino Kubitschek, justamente para fornecer matéria-prima para as primeiras construções no Distrito Federal. A partir daí, seu Getúlio montou o próprio negócio e se tornou um grande empresário do setor de ferragens. Depois de muito tempo de trabalho, preparou a empresa para os filhos e os netos, que hoje a administram.

Seu Getúlio não somente montou o patrimônio familiar, como ensinou cada um deles a realizar as tarefas e valorizar o trabalho em família. A mulher, Letinha Soares de Brito, 77, foi essencial nesse processo. Enquanto o marido cuidava do primeiro ponto de vendas da Ferragens Pinheiro, ela dava apoio ao patriarca e criava os filhos. “Meu pai sempre teve a mentalidade de empregar a própria família nos negócios. Mamãe sempre esteve do lado dele o tempo todo”, conta Janine Brito, 52, CEO do Grupo Pinheiro de Brito. Hoje, o pai já não trabalha. São os cinco filhos que dão prosseguimento ao patrimônio familiar.

De uma loja em Taguatinga, montou uma megaloja no Setor de Indústria e Abastecimento (SIA) e expandiu o grupo também para outros segmentos. Entre os negócios, está a Fazenda Palmeiras, na cidade de Formosa (GO) — a 80km da capital — onde há criação de gado. O ramo imobiliário também passou a fazer parte. Hoje, o grupo conta com edifícios comerciais em algumas partes do DF. A última conquista foi a inauguração, em 2012, da Indústria Pinheiro, onde são feitos o corte e a dobra de aço sobre medidas para construções. “Além da consideração a cada integrante da família, principalmente respeitando a função de cada um, papai nos ensina, a cada dia, que temos que ter admiração e amor um pelo outro”, diz Janine.

Na lista de trabalhadores do Grupo Pinheiro de Brito, além dos cinco irmãos que administram o negócio, há seis netos e uma sobrinha de seu Getúlio e dona Letinha. O representante de vendas, Rayffer Roberto Brito, 26 anos, é um dos herdeiros. “É gratificante pode ajudar os meus familiares no andamento da empresa. Nossos avós sempre nos ensinaram a, acima de tudo, manter a honestidade, a simplicidade e a dar muito valor ao que conquistamos no dia a dia. A união, então, é uma das principais virtudes pregadas. Além dos negócios, sempre nos reunimos”, disse.

Para o tradicional almoço de domingo, é necessária uma mesa bem grande para acolher os filhos, os netos, os bisnetos e agregados dos Pinheiros. “É assim que mantemos a empresa. Honrando o compromisso com nosso avô e sempre unidos”, finaliza o neto.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade