Brasiliense que tem 13 irmãos se inspira na mãe para criar, sozinha, cinco filhos adotivos

"Apesar de todas as dificuldades, vale a pena. Eu seria a pessoa mais solitária do mundo e hoje não me vejo sem os meus filhos", afirma Joanete Souza Vasco

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/04/2016 22:00 / atualizado em 21/04/2016 18:38

Vinícius Santa Rosa/Esp. CB/D.A Press
 

 

Filha de baianos, Joanete Souza Vasco, 53 anos, nasceu e foi criada em Brasília. Os pais vieram em busca de melhores condições de vida. Acabaram por formar uma grande família, com 14 filhos. Até hoje, todos vivem na capital. Joanete se inspirou na coragem da mãe para criar os próprios laços afetivos. “Tentei imitar um pouquinho”, brinca. Sim, a família teria de ser grande. Desejo que deriva também do fato de ter muitos irmãos e de eles serem extremamente unidos.

Tornou-se mãe solteira de cinco filhos. Desde os 19 anos, Joanete acalentava o sonho de adotar. “Eu literalmente sonhava com a adoção. Nos meus sonhos, eu adotava uma menina, mas o primeiro que veio foi o Matheus”, conta. Chegou ainda bebê. A insistência do primogênito em ter irmãos era plenamente compatível com a vontade da mãe. Sem hesitar, ela entrou de novo na fila de adoção. Veio Sarah Juliana, hoje com10 anos; depois, juntos, os irmãos Dan Gabriel, 9 anos, e Mirna Larissa, 7 anos. Por último, Ailah Kelly, 5 anos. Joanete quer mais dois.

Segundo ela, o medo de ser mãe solteira logo se dissipou quando surgiu a chance da primeira adoção. Já o preconceito por criar filhos sozinha a acompanha, confessa. “Apesar de todas as dificuldades, vale a pena. Eu seria a pessoa mais solitária do mundo e hoje não me vejo sem os meus filhos”, conta. Ciente de que a adoção é um processo burocrático e exigente, ela entende que todas as etapas são necessárias. “Só quem passa pela experiência sabe como é necessário esse período de adaptação.”

Outro ponto superado facilmente pela servidora é a curiosidade das crianças. Matheus, até agora, foi o único a demonstrar interesse por conhecer a mãe biológica. De acordo com Joanete, o segredo é ter sinceridade e entender o momento de cada um. “Não vale a pena esconder, temos que saber dosar as informações de acordo com o amadurecimento deles”, explica.

A rotina da casa em São Sebastião, com os cinco filhos, é intensa. O tempo é quase todo preenchido pelas atividades das crianças e o trabalho. Quando aparece uma pausa na correria do dia a dia, a família gosta de ir a clubes, ao Parque da Cidade, ao Jardim Botânico e ao zoológico. O ponto preferido de Sarah Juliana é o parque. “Eu gosto de lá porque tem praças, pistas e é bem movimentado”, conta a menina.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Marta
Marta - 25 de Abril às 19:18
Conheço a Joanete pessoalmente e a admiro muito. Ela é uma mãe dedicada e educa estas crianças com muita disciplina e amor. É um exemplo de amor ao próximo.