Moradores da 214 Norte plantam 50 mudas de ipês amarelos na quadra

Esta semana, campanha do Correio e da TV Globo Brasília para clicar a árvore símbolo do DF recebeu centenas de imagens

postado em 03/08/2015 12:35

Rodrigo Nunes/Esp. CB/DA Press


Mais que beleza, uma cidade arborizada traz benefícios à qualidade de vida. Há um ano, moradores da Superquadra 214 Norte tomaram a iniciativa de plantar 50 mudas de ipês amarelos. Além de conscientizar a população sobre a conservação ambiental, a intenção era tornar o lugar mais belo nos próximos anos. “Será a quadra de ouro”, brincam os moradores.

Para tanto, pais e mães incentivam os filhos a cuidarem da planta. Na casa da biomédica Jacqueline Daia, 32 anos, toda a família está envolvida no projeto. “Tornou-se uma atividade lúdica para eles”, conta a mãe de Pedro, 3, e Maria, 1. O pai das crianças explica a evolução do ipê. “Nesta época do ano, ele normalmente fica com menos folhas. É possível reparar nos que estão floridos que há pouca folhagem”, explica o agrônomo Adriano Pacheco, 44.

As crianças maiores disseminam o conhecimento adquirido na escola. “Eles perguntam, comparam as plantas e se preocupam em cuidar da muda. Eu acho importante porque essas práticas serão levadas para toda a vida”, afirma a servidora pública Deise Mendes, 40, mãe dos gêmeos Isadora e Matheus, 7.

A iniciativa surgiu da prefeitura da quadra, como mostrou reportagem do Correio na época do plantio. A gestora local, Fernanda Mesquita, conta que a intenção é despertar a importância de práticas ecologicamente corretas. “Há muitas crianças e jovens na quadra. Isso significa plantar a semente da consciência ambiental nessas pessoas”, afirma a empresária.

O plantio dos Ipês foi feito por crianças entre 2 e 12 anos. Na ação, eles receberam um kit com um livro e uma caixa de giz de cera para colorir o material lúdico — um folheto contando os ciclos do Ipê, desde a semente até a vida adulta; a muda da planta e instruções de plantio e cuidado. As crianças foram inscritas no programa da prefeitura e não deu para quem quis. “Temos uma lista de espera com mais de 30 nomes de crianças esperando para também participar”, conta Fernanda.

Faça seu clique
Lançada em parceria com a TV Globo Brasília, a campanha do Correio Braziliense para que os leitores fotografem os ipês espalhados por Brasília tem registrado os melhores ângulos da árvore mais conhecida — e, para muitos, a mais bela — do cerrado. Desde 18 de julho, leitores e telespectadores têm enviado suas imagens. Ao fim, um caderno especial, no Correio, e um vídeo, na TV Globo Brasília, vão celebrar aquelas que melhor souberam captar a essência desse símbolo brasiliense.O leitor ou o telespectador podem marcar a foto do ipê nas redes sociais de imagens para participar, usando a hashtag #BrasiliaCapitaldoIpe. Outro canal é por meio do site www.correiobraziliense.com.br/BrasiliaCapitaldoIpe. Aqueles que usam o aplicativo de mensagens WhatsApp também podem mandar as imagens (Veja os números no box).

Planta nativa
O ipê é uma árvore do gênero Tabebuia, pertencente à família das bignoniáceas, podendo ser encontrada em seu estado nativo por todo o Brasil. Há muitos séculos, o ipê — também chamado de pau-d’arco, no Norte — vem sendo apreciado tanto pela excelente qualidade de sua madeira, quanto por seus efeitos decorativos e até medicinais. Nas ruas do DF, é possível encontrar ipês nas cores amarela, branca, rosa e roxa.

Contribuição dos leitores
A engenheira agrônoma Ana Carolina de Paula Silva, 34 anos, gosta tanto da árvore símbolo de Brasília que plantou uma muda no jardim. Na casa dela, no Lago Norte, a planta é acompanhada periodicamente. “Jogo água a cada três dias. Pena que a primeira florada ainda vai demorar.” A mulher está ansiosa para ver as flores amarelas desabrocharem. A intenção é que o arbusto fique similar à árvore próxima à Rodoviária do Plano Piloto, fonte da semente. “Eu adoro planta, mas essa árvore tem um toque especial.”

No Riacho Fundo 1, a 21km do centro de Brasília, o flagrante ficou por conta do militar da aeronáutica Newton Charley, 44 anos. “Estava passando por lá e tirei a foto. Essa árvore faz parte da paisagem de Brasília. Não existe nenhuma outra planta tão presente como essa”, acredita o morador da Asa Sul.

Apaixonado por ipês, o aposentado Geraldo da Costa Pinto faz até poesia para árvore símbolo de Brasília:

Não sou fotógrafo, nem poeta,
Apenas, gosto de escrever,
Apresento-lhes esta bela foto,
Que Dom Bosco não pôde antevê,
Emoldurada por um acróstico,
Para o jornal Correio e a TV,
A fim de participar da campanha:
Brasília Capital do Ipê:

Bem-me-quer, malmequer...
Resista, ó frondosa árvore,
Às intempéries do anoitecer.
Sem água, sem seiva, nem folhas,
Imagina-se não sobreviver.
Lendária de origem tupi,
Insigne pelo nome cascuda,
Assim, tal qual a fênix,
Com as cinzas hás de florescer.
As flores vão lhe surgindo,
Produzindo aos olhos um embevecer,
Isso é o símbolo da cidade,
Tiveram o bom gosto de eleger.
Amarelas, brancas, roxas ou lilás,
Lindas pétalas pelo chão se veem,
Dessa deslumbrante paisagem,
O mundo não haverá de esquecer.
Inspira, pois, ó flor, o artista nato,
Produzir o seu ateliê
E pintar com cores vivas,
a imagem do nosso Ipê.

* * *