SIGA O
Correio Braziliense

Brasil avança no serviço de água tratada, mas tem dificuldades com o esgoto

A cobertura da água tratada no Brasil é de 82,5%, entretanto, a coleta de esgoto é mais crítica: nem metade da população (48,6%) tem acesso ao sistema

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/09/2016 07:00 / atualizado em 26/09/2016 20:58

Minervino Junior/CB/D.A Press


Segundo dados do Ministério das Cidades, a cobertura da água tratada no Brasil é de 82,5%, o que significa que 35 milhões de brasileiros não recebem em casa, sequer, água potável. Com a coleta de esgoto, a situação é mais crítica: nem metade da população (48,6%) tem acesso ao sistema, ou seja, mais de 100 milhões de brasileiros jogam os resíduos diretamente nos rios, nas fossas ou no solo. O esgoto quando tratado é um luxo ainda maior — só 40% tem o serviço.

Diante dessa realidade, acende-se um sinal vermelho para o problema. A começar pela saúde pública. “Quando vemos que um metro de saneamento repercute no que diz respeito à mortalidade infantil, percebemos o grande significado do serviço público”, analisa Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). O surto de doenças ligadas ao Aedes Aegypti e a maior incidência de recém-nascidos com microcefalia por causa do zika vírus em regiões periféricas e de menor acesso ao saneamento básico mostram a urgência da universalização do sistema. “No Brasil sem saneamento, há cultura de armazenar precariamente a água. Soma-se a isso o esgoto depositado a céu aberto, que empoça nas ruas, e o lixo acumulando água. Esses elementos contribuem para a proliferação dos vetores infecciosos, como mosquitos”, explica Leo Heller.

Minervino Junior/CB/D.A Press


Os brasileiros se dividem entre os com ou sem acesso ao saneamento básico. Nem mesmo a capital do país, com os mais altos índices de renda per capita, consegue resolver a questão. A menos de dois quilômetros da Estação de Tratamento de Esgoto Melchior, em Samambaia, no Distrito Federal (DF), Ozenir Leite de Oliveira, 45 anos, lava a rua para evitar o acúmulo de lixo, sujeira e animais. Sem falar no mau cheiro. A casa onde ela mora não tem tratamento de esgoto e toda a água da pia da cozinha e do chuveiro do banheiro é despejada no asfalto.

Além do cano que leva a água para a rua, próximo ao portão da casa, Ozenir tem uma fossa instalada para os rejeitos do banheiro. A cada três anos, ela chama alguém para desentupir o sistema e gasta em média R$ 120.  “Por morarmos tão perto de uma estação, poderíamos ter prioridade. Vivo aqui há anos e a situação é a mesma. O risco de doença é enorme”, afirma a dona de casa. A vizinha de Ozenir teve dengue há pouco tempo e, quando brincam na rua, as crianças mostram as larvas que encontram no meio da água.

Quem viveu sem o sistema de esgotamento e passou a ter o serviço recentemente nota a diferença na qualidade de vida. A chegada do saneamento básico na comunidade da Estrutural, no DF, mudou a rotina da agente de saúde Selma Maria Dantas, 52 anos. “Antes, andava com uma garrafa pet de soro para cima e para baixo ensinando os moradores a fazer o soro caseiro porque as crianças viviam com diarréia”, relembra. Desde que o sistema começou a ser instalado nas casas, a agente conta que não só as doenças diminuíram, mas a proliferação de ratos e baratas também. “Não tem mais a catinga horrível”, acrescenta.

 

Cristiano Gomes/CB/D.A Press
 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.