SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

No retorno do exílio, em 1967, JK diz que nunca mais deixaria o Brasil

Em 13 de junho, o ex-presidente e a esposa Sarah chegaram ao aeroporto acompanhados do embaixador da Espanha, Jaime Alba Delibes, e do coronel Affonso Heliodoro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 23/03/2014 11:33 / atualizado em 23/03/2014 11:49

Roberto Stuckert/O Cruzeiro - 30/9/63

Ao lado de familiares, amigos e aliados, Juscelino Kubitschek esperou, em 8 de junho de 1964, em seu apartamento na Vieira Souto, no Rio de Janeiro, o anúncio da cassação de seus direitos políticos. Amarguradom confidenciou à filha Maria Estela, diante dos convites dos embaixadores da Espanha, do Paraguai e de Portugal: “Eu, um democrata, recebo a oferta de asilo político de Francisco Franco, Salazar e de Alfredo Stroessner”. Maria Estela estava grávida de três meses. “Naquele dia, fumei o meu primeiro cigarro”, conta ela.

Para deixar o país, JK optou pelo salvo-conduto espanhol, mas se fixaria em Paris. Em 13 de junho, o ex-presidente e a esposa Sarah chegaram ao aeroporto acompanhados do embaixador da Espanha, Jaime Alba Delibes, e do coronel Affonso Heliodoro. Ambos abriam caminho em meio a uma multidão que o saudava com o Hino Nacional e o Peixe vivo. Tumulto. Oficiais da Aeronáutica arrancaram as armas. “Querem matar JK”, gritaram alguns. Um militar encostou o cano do revólver na barriga de Maria Estela. Sarah, que subia as escadas do avião, viu a cena. Deu meia volta, dedo em riste, avisou: “Tire essa arma da barriga da minha filha. Ela está grávida!”. Foi obedecida.

O relato é de Maria Estela. “Meu pai só conheceu o neto João César, que nasceu em dezembro, quando ele já estava com seis meses. Eu o levei a Paris. Foi batizado lá”, conta. A notícia do nascimento do neto, que recebeu o nome do pai de JK, chegou a ele e a Sarah por telegrama enviado pelo genro Rodrigo, em 6 de dezembro de 1964. O ex-presidente e a esposa estavam em Lisboa.

Caneta tinteiro à mão, JK escreveu à filha e ao genro: “A distância, a saudade e a solidão agravam qualquer estado de espírito e nos torna muito emotivos. Ao recebermos em Lisboa o telegrama do Rodrigo não dissemos uma palavra. A garganta secou e só o silêncio permitiu que a emoção não transbordasse em outras manifestações”. Nessa carta, publicada por Maria Estela na obra Simples e princesa, JK agradeceu, sensibilizado, a homenagem prestada ao seu pai: “Sei que você e Rodrigo quiseram me dar nesta hora uma prova excepcional de amizade. Assim a recebi. Por isso mesmo mais sensível fiquei ao gesto de ambos. Não sei se chegamos ao fim das provações”.

Juscelino pretendia retornar ao Brasil em 22 de dezembro de 1964, para passar o Natal com a família. Ele explicou à filha Maria Estela por que desistira. “Sua mãe pediu à Senhora de Fátima que mandasse um aviso sobre se estava certa a data escolhida. Ao voltar a Lisboa, surgiu a história dos astrólogos. Foram tão persuasivos que a eles se renderam todos (…) Fizeram um cerco em torno de mim”, escreveu. Além da “astrologia”, JK havia tido informações, dias antes, de que nem ele nem Juan Domingos Péron, presidente argentino exilado em 1955, também afastado por golpe militar, entrariam na América Latina. “A notícia provinha de fontes muito seguras. A questão com o ditador argentino explodiu exatamente no instante em que os astrólogos sustentavam a tese do adiamento. Consequência: sua mãe meteu os pés no chão e não aceitou mais conversa.” JK prosseguiu na carta ironizando a interferência “esotérica” na decisão de adiar o retorno ao país: “Demos um rápido recuo para alguns milênios atrás, à época em que Alexandre deixava a Macedônia e por mares incertos e frágeis embarcações ia ouvir o oráculo de Delfos. Concordei, agora. É a última transigência”.

Acusações

JK ainda precisava se defender das acusações de Carlos Lacerda de que seria “a sétima fortuna” do mundo. Levava vida modesta em Paris, instalado num pequeno apartamento de dois quartos no Boulevard Lannes, n° 65. Em cartas confidenciais dirigidas aos deputados Carlos Murilo e Renato Azeredo naquele ano, publicadas por Serafim Jardim na obra JK, onde está a verdade?, o ex-presidente tentava articular um movimento de reparação histórica, tentando restaurar a verdade sobre a sua situação financeira e sua conduta como homem público.

Os tempos, entretanto, cada vez se tornariam mais difíceis. A expectativa manifesta por JK em carta só agora publicada aos seus compadres Joaquim e Bertha Mendes de Sousa, “de que o Natal de 1964 seria o último longe do Brasil, encerrando o seu inferno astral”, não se concretizou. O exílio de JK se encerrou em 9 de abril de 1967, durante o governo de Costa e Silva. “Só morto deixo o Brasil outra vez”, afirmou, ao desembarcar no Rio. O ex-presidente morreu em agosto de 1976, num acidente de carro na Via Dutra, até hoje envolto em polêmica.

Baixa adesão

Mariana Topfstedt/Sigmapress/Folhapress


Janine Moraes/CB/D.A Press



A Marcha da Família com Deus pela Liberdade, convocada como uma reedição da passeata que legitimou o golpe de Estado em 1964, dando início ao regime militar, ocorreu de forma esvaziada em várias capitais do país. Em São Paulo (acima), com expectativa de reunir 5 mil pessoas, o ato na cidade de origem do movimento contou com 500 participantes. Um senhor chegou a usar uma bengala contra um fotógrafo que cobria o ato. Ao mesmo tempo, cerca de 800 pessoas se juntaram para a Marcha Antifascista, em oposição ao primeiro movimento. Em Brasília (abaixo), um grupo de 30 pessoas caminhou embaixo de chuva pelo Setor Militar Urbano cantando contra a “ameaça comunista”. Para os presentes, a chuva justificou a baixa adesão. Na área da Central do Brasil, no Rio de Janeiro, a Marcha da Família teve momentos de tensão, quando 150 pessoas que apoiam a intervenção militar no país se encontraram com 50 integrantes de movimentos sociais contrários.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade