SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Em trechos de cartas JK relata que o Brasil passou por "noites tristes"

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 23/03/2014 11:51 / atualizado em 23/03/2014 11:56

Paris, 27 de outubro de 1964, outono mais frio dos últimos 50 anos. “Vim para o meu escritório tiritando (…) estamos simplesmente começando a estação do gelo. Até maio não se verá céu, não teremos uma estrela para iluminar noites tristes e já às 10 horas da manhã começamos a trabalhar com todas as luzes acesas”. A capital da França, onde JK viveu na juventude para a especialização médica, se tornara, aos olhos do ex-presidente da República, uma cidade triste. E o francês, no contexto daqueles anos que antecederam a eclosão dos movimentos de 1968, mais irritadiço e intolerante. “Descobri, agora, uma coisa: Paris é uma cidade bonita, mas muito triste. Todos os restaurantes, hotéis, casas de diversão completamente cheios. Mas repletos de um povo insatisfeito e irritado”, anotou. “O francês, acossado pela terrível luta pela subsistência, transformou-se num ser raivento”, considerou. “O que faz uma cidade agradável não é a beleza de suas coisas mortas. É a graça de suas coisas vivas.”

Com a ditadura no Brasil, descerrava-se uma era de tristeza e medo, considerou JK ao casal de amigos. “A violência, instituída em forma de governo pelos mandantes atuais do Brasil, fez descer sobre a nação um manto de desesperança e de medo (…) Deus que ajude o Brasil a se livrar de semelhante método.” Triste, lembrando-se de sua terra, no trópico, “gerador de calor”, onde o frio não é inimigo e o povo “vive solto e livre” nos sertões, nas planícies e nos vales, JK, no entanto, ainda alimenta esperança de dias melhores: “Creio muito na força do povo brasileiro. Nasceu livre demais. As extensões imensas que o abrigam impõem o sentimento de liberdade”. Ele escrevia denominando de “freio momentâneo” os primeiros meses do governo Castelo Branco que se seguiram à deposição de João Goulart.

Eleições

Derrotado nas urnas em 3 de outubro de 1965, principalmente em Minas Gerais e na Guanabara, o governo militar editou o Ato Institucional n° 02, em 27 de outubro de 1965, que acabou com as eleições diretas para presidente da República. O sonho da campanha JK 65 jamais se concretizaria. O político mineiro ficou em Paris até fecharem-se as urnas das eleições ao governo de 11 estados. Desembarcou no Brasil em 4 de outubro de 1965. Foi um curto retorno, por pouco mais de um mês.

Submetido a humilhantes inquéritos policiais militares (IPMs), JK voltou a deixar o país, desta vez para Nova York. “Estava sendo vigiado pelo governo Charles de Gaulle”, conta Carlos Murilo Felício dos Santos, seu primo, amigo e ex-deputado federal pelo PSD. “Só depois entendemos por que meu pai preferiu se instalar em Nova York”, revela Maria Estela Kubitschek. Em 1966, de Nova York, Juscelino foi para Lisboa. “Os gregos, quando inventavam o exílio, sabiam o tipo de tortura que estavam criando”, disse o ex-presidente à filha Maria Estela. Sofrimento, dor, saudades das pessoas e do Brasil. “Nas cartas carregadas de emoção JK estava, na verdade, escrevendo capítulos de sua história”, conta a filha. (BM)

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade