SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Greve geral, aulas suspensas e mobilizações marcaram a queda de Goulart

Cinquenta anos depois da derrubada do presidente João goulart, personagens relevantes da história da capital do país contam o que lembram daquela data fatídica

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/03/2014 08:00 / atualizado em 30/03/2014 09:00

Thaís Cieglinski

Arquivo/CB/D.A Press


Prestes a completar quatro anos, Brasília ainda mantinha o espírito de província quando a democracia brasileira sofreu um abalo sem precedentes. Com pouco mais de 140 mil habitantes, a nova capital acordou chuvosa na manhã daquela terça-feira, 31 de abril de 1964. Nas páginas do Correio Braziliense, notícias sobre o clima de tensão instalado no país. De um lado, deputados e militares atacavam o presidente João Goulart, de outro, Jango falava em uma crise deflagrada “por minoria de privilegiados que vive de olhos voltados para o passado”.

Enquanto as tropas do general mineiro Olympio Mourão seguiam rumo ao Palácio das Laranjeiras, onde estava o presidente, em Brasília, o dia transcorreu tranquilo, com expediente normal na Esplanada dos Ministérios e no Congresso Nacional. Foi somente na madrugada de 1º de abril que as consequências do golpe começaram a chegar à capital. Por volta das 2h30, o fechamento do aeroporto e o bloqueio das estradas denunciavam a tensão. Para os apoiadores de Jango, a ordem era resistir. As aulas acabaram suspensas nas escolas do DF, e o transporte público funcionou gratuitamente para que as pessoas pudessem circular livremente pela cidade a fim de promover mobilizações em prol do presidente.

Leia mais notícias do especial dos 50 anos da ditadura

Sindicalistas decretaram uma greve geral, com apoio do movimento estudantil. Na Rádio Nacional, localizada na 508 Sul, eles convocaram a população a não sucumbir diante da ameaça de golpe. Armas foram distribuídas a quem desejasse lutar pela democracia. Boatos e informações desencontradas se espalharam pela cidade.

Edição extra
Às 9h da quarta-feira, a gráfica do Correio preparava uma edição extra, quando teve o trabalho interrompido por representantes da Central Geral dos Trabalhadores (CGT). Sem garantia de segurança para manter o expediente, a direção do jornal decidiu fechar o prédio. O ex-diretor de Redação Adirson Vasconcelos ainda guarda lembranças daquele dia. “Na noite de 1º de abril, o pessoal chegou aqui e fez muitas ameaças. No dia seguinte, impediram a impressão da edição”, destaca.

Com os militares no poder, a censura bateu à porta, especialmente depois do Ato Institucional nº 5. “O controle era feito por meio do Telex. Ao longo do dia, recebíamos notas sobre o que não poderia ser publicado”, detalha o vice-presidente Executivo do jornal, Evaristo de Oliveira.

Cinquenta anos depois daquele fatídico 31 de março, o golpe continua vivo na memória de personagens relevantes da história de Brasília. Alguns contaram ao Correio como receberam a notícia que colocou o Brasil nos anos de chumbo.

publicidade

Tags: