SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

"Melhor assim! Socialismo foi um veneno moral", diz general sobre golpe

Rocha Paiva apresenta, em artigo, outra visão dos acontecimentos do dia 31 de março e 1º de abril de 1964

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/04/2014 06:04 / atualizado em 01/04/2014 08:03

Ronaldo Moraes/O Cruzeiro/EM


"Na Guerra Fria o Brasil era prioridade da URSS, pois sua adesão arrastaria toda América do Sul ao socialismo. O Partido Comunista Brasileiro (PCB), vassalo sustentado por Moscou, preparava o golpe de Estado empregando a subversão e a infiltração nas instituições.

Jango, aliado ao PCB, queria liderar o golpe. Sua gestão era um fracasso como atestam os indicadores, mas o maniqueísmo socialista culpava a aliança da classe dominante com o imperialismo contra o povo e os líderes nacionalistas. Ele anunciara a implantação de reformas de base dentro ou fora da Constituição, mas elas não passavam de slogans para criar o clima revolucionário. Nunca houve um projeto com metas e ações estratégicas.

O Comando Geral dos Trabalhadores, controlado pelo PCB, era autorizado a decretar greve geral quando quisesse e impôs a Jango reformar o ministério nomeando aliados da esquerda. Prestes anunciou que o PCB estava no governo, mas ainda não detinha o poder. Os estatutos dos Grupos dos Onze de Brizola previam usar mulheres e crianças como escudos em operações, julgamento sumário e execução de oponentes e reféns.

O golpe comuno-sindical iniciou em 13 de março de 1964, no comício da Central do Brasil, com decretos ilegais e ameaças ao Legislativo. Atentados à hierarquia e disciplina, para neutralizar as Forças Armadas, eclodiram em 26 de março com o motim dos marinheiros, soltos sem punição, e em 30 de março na manifestação de apoio dos praças ao presidente, no Automóvel Clube do RJ, onde Jango ameaçou os oficiais e defendeu os amotinados.

Num país imaturo, de instituições fracas, sociedade religiosa e conservadora, tudo isso gerou desconfiança e reação da classe média, Igreja, mídia, Forças Armadas e a maioria dos políticos e do povo. Jango tivera amplo apoio para tomar posse em 1961, mas, em março de 1964, perdera a legitimidade, a autoridade e o poder. Melhor assim! O socialismo foi um veneno econômico, moral e social nos países onde vingou."

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade