Professor da USP defende golpe militar e tem aula interrompida por alunos

Estudantes ficaram indignados com o teor de um documento que havia sido distribuído pelo professor em apoio à intervenção militar de 1964

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/04/2014 15:20 / atualizado em 01/04/2014 15:27

Étore Medeiros

O professor de Direito Administrativo da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, Eduardo Lobo Botelho Gualazzi, teve a aula interrompida por estudantes da instituição na segunda-feira (31/3) quando tentava ler um manifesto de apoio ao golpe militar de 1964.

Leia mais sobre o golpe militar


O docente já havia distribuído aos alunos um manifesto de cinco páginas defendendo o golpe, e usado outra aula para ler o texto na íntegra. O teor do documento, que defende o golpe de 1964, revoltou os estudantes, que prepararam a intervenção para o caso de ele repetir a leitura na aula seguinte - o que acabou acontecendo.

Clique aqui e assista ao vídeo

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.