Médicos e enfermeiros gaúchos partem para o Haiti em porta-aviões italiano

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/01/2010 20:28

Rio de Janeiro - Uma equipe de dez profissionais de saúde do Rio Grande do Sul começa amanhã (27) viagem para o Haiti. São quatro médicos e seis enfermeiros do Grupo Hospitalar Conceição (GHC), de Porto Alegre, que partem da Base Aérea do Rio de Janeiro para Fortaleza, onde embarcam no dia seguinte (28) no porta-aviões italiano Cavour, para se juntar a outros profissionais de saúde e militares da Marinha, totalizando 75 brasileiros.

A equipe gaúcha, requisitada pelo Ministério da Saúde, não recebeu treinamento específico, mas é formada por médicos e enfermeiros com muita experiência. Entre eles, a anestesista Maria da Graça Falkembach, que já atuou no processo de reconstrução do Timor Leste, na Ásia.

“O nosso treinamento é a própria vida. Eu sou médica anestesista há 35 anos. O colega traumatologista que está indo tem mais tempo do que isso. A colega ginecologista tem 25 anos de formada”, disse Maria da Graça.

O grupo foi selecionado entre os 400 profissionais do GHC que se apresentaram como voluntários para ir ao Haiti. Eles vão residir e trabalhar no porta-aviões, que ficará fundeado próximo à costa haitiana. A embarcação tem um hospital com 35 leitos. Os feridos serão transportados à bordo em dois helicópteros brasileiros e seis italianos.

O prazo inicial de permanência da equipe é de 30 dias, mas para a médica brasileira não será problema se for necessário prolongar o trabalho: “Não há nenhum entrave por parte do grupo. Somos todos voluntários”.

Segundo ela, toda a informação que o grupo tem sobre a situação no Haiti é por meio das reportagens que têm saído na mídia. Porém, ela admite que a realidade será mais difícil, mesmo para profissionais experientes. “Tecnicamente, já passaram as fases do esmagamento e da amputação. Nós estamos agora na fase do curativo e da eventual reamputação por infecção. É isso que nós vamos enxergar”.

Embora fale francês com fluência, o que ajuda na comunicação com os haitianos, a médica diz que o mais importante será a atenção e o carinho com os pacientes.

A equipe gaúcha é formada pelos médicos Lucia Helena de Albuquerque e Souza, Luiz Mário Bretanha de Moraes, Márcio Carlos Seelig e Maria da Graça, e os enfermeiros Cleber Verona, Eloísa Nonnemacher, Fátima Ali, Gabriel Messerschimidt, Thiago Cunha dos Santos e Sue Helen Barreto Marques.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.