Amorim reitera necessidade de unir esforços para reconstruir a economia do Haiti

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/02/2010 17:02

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, reiterou nesta segunda (1º/2) em Paris que é necessário haver um esforço conjunto da comunidade internacional para reestruturar a economia do Haiti, mas sem criar sua dependência ao apoio externo. Para ele, os haitianos não podem “viver eternamente de ajuda” externa. Uma das alternativas, segundo Amorim, é o fim da cobrança de tarifas de mercadorias produzidas no Haiti em um prazo que pode chegar a duas décadas.

“O Haiti não pode depender eternamente da ajuda”, disse Amorim que se reuniu hoje com a diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), a búlgara Irina Bokova.

Durante as reuniões do Fórum Econômico Mundial, em Davos (Suíça), Amorim sugeriu que todos os países que tenham condições de suspender a cobrança de tarifas dos produtos haitianos, o façam, para ajudar o país a reconstruir sua economia. Segundo ele, a medida foi bem recebida, mas é necessário dar continuidade às discussões.

Amorim propôs ainda que a iniciativa privada – liderada pelos banqueiros internacionais – apoie as ações dos governos para dar mais condições de reconstrução do Haiti. Mas para o chanceler é necessário também ampliar as ações para as áreas de educação e cultura. Na conversa com a representante da Unesco, o ministro pediu a elaboração um programa para estas áreas.

O chanceler e a representante da Unesco conversaram ainda sobre o encontro denominado Aliança de Civilizações, que será realizado em maio, no Rio de Janeiro. A iniciativa, promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU), quer mobilizar a sociedade no esforço de superar preconceitos e percepções equivocadas.

O objetivo do encontro é minimizar situações que provocam conflitos entre Estados e comunidades. Os debates se baseiam nas áreas de educação, juventude, meios de comunicação e migrações.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.