De Brasília para o mundo: as marcas do DF que conquistaram o país

Pizzaria Dom Bosco, Laboratório Sabin, Rede Sarah de Hospitais... Apesar de jovem, a capital tem empresas e produtos legítimos

postado em 21/04/2017 00:00 / atualizado em 21/04/2017 15:51

Na cidade-sede do poder político do país, eles criaram histórias de sucesso. Brasileiros de diferentes regiões edificaram marcas genuinamente brasilienses. Começaram pequenos, mas com ideias que se transformaram em grandes negócios.

 

Rede Sarah de Hospitais de Reabilitação

Arquivo Rede Sarah/Divulgação
 

 

Brasília era um imenso cerrado ocupado por poucas construções, quando, em 1960, com o intuito de dotar a cidade de um moderno centro de reabilitação, a Fundação das Pioneiras Sociais, criada em 1956, deu os primeiros passos do que viria a se tornar a Rede Sarah. Em 1968, o médico Aloysio Campos da Paz Júnior foi convidado para dirigir o centro e nele desenvolver as ideias que surgiram do seu treinamento em Oxford (EUA). Um ano depois, o que começou no meio do Planalto Central ainda em construção começa a atender também populações das Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Um novo projeto de tratamento de saúde, reabilitação e trabalho multidisciplinar foi desenvolvido por Campos da Paz em Brasília até que em 12 de setembro de 1980 o Sarah tornou-se realidade. Desde então, as atividades cresceram, se expandiram e se concretizaram em um modelo de sucesso e reconhecimento internacional. Além de Brasília, a rede Sarah tem unidades em São Luís, Salvador, Belo Horizonte, Fortaleza, Macapá, Belém e Rio de Janeiro.

 

Laboratório Sabin

 

Em maio de 1984, surgia a primeira unidade do Laboratório Sabin no DF. Com apenas três funcionários, começava um negócio que hoje conta com 200 unidades de atendimento não só no DF, mas nos estados de Goiás, Minas Gerais, Bahia, Amazonas, Tocantins, Pará, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Paraná. Ao todo, são cerca de 3.700 trabalhadores. O laboratório foi criado por duas mulheres, Janete Vaz e Sandra Costa, e possui reconhecimento nacional e internacional.

 

Pizzaria Dom Bosco

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

 

Quando chegaram em Brasília, tudo levava o nome de Dom Bosco. “Material de construção Dom Bosco, padaria Dom Bosco, açougue Dom Bosco, por conta da visão do santo, né?”, conta Enildo Veríssimo Gomes, dono da Pizzaria Dom Bosco. Fundada em 1960, a história do estabelecimento caminha a da capital. Além de ser uma tradição para quem quer um lanche rápido. Quem nunca comeu uma pizza de muçarela com chá gelado? Em pé, porque em nenhuma das unidades, até hoje, tem cadeiras ou mesas. O que começou na quadra 107 Sul expandiu para os diferentes pontos do DF: Asa Norte, Sudoeste, Águas Claras, até para um centro universitário. São seis unidades e cerca de 50 funcionários.

 

Laboratório Exame


O Laboratório Exame surgiu, em 1963, como Laboratório de Patologia Clínica de Brasília, conhecido como Laboratório JK. Fundado por médicos, 12 anos depois se associou a outro empreendimento do ramo de laboratórios, também de profissionais da saúde, e consolidou-se como Exame.
Hoje, são 53 unidades no DF e Entorno, além de atender pacientes em Goiás. Em 2007, o laboratório passou a integrar a maior empresa de medicina diagnóstica da América Latina e a quarta do mundo.
 

Upis

 
Fundada em 5 de dezembro de 1971, a União Pioneira da Integração Social (Upis) é uma das instituições de ensino superior privadas brasileiras nascidas no Distrito Federal.
 
Ela oferece 16 cursos de graduação, em diferentes áreas de conhecimento, como administração, agronomia, ciências contábeis, ciências econômicas, direito, geografia, tecnologia em comunicação institucional, história e medicina veterinária.
 

UniCeub

 
Primeiro centro universitário do DF, o UniCEUB surgiu em 1968, conforme as idealizações do político mineiro João Herculino de Souza Lopes, e, rapidamente, tornou-se um dos principais celeiros de talentos da capital federal.
Pelas salas da universidade, passaram nomes de destaque no cenário nacional e internacional. Com 23 cursos, o centro de ensino superior é avaliado com nota máxima pelo Ministério de Educação (MEC).
 

Giraffas

Breno Fortes/CB/DA Press
 
Dois estudantes de engenharia elétrica da Universidade de Brasília (UnB) decidiram abrir um restaurante. O conhecimento de cozinha era pequeno, mas o gosto por boa comida era grande. Assim surgiu a rede de fast-food Giraffas, em 1981. Ivan Aragão abandonou o negócio no primeiro ano para morar em Recife, mas Carlos Guerra continuou o que hoje é um império de alimentação. Os planos de Carlos para o empreendimento sempre foram ambiciosos, mas ele demorou 10 anos entre a abertura da primeira loja, na 105 Sul, e o lançamento da primeira franquia.
 
Atualmente, o Giraffas conta com cerca de 400 restaurantes no Brasil e 10 nos Estados Unidos. São ao menos 10 mil funcionários em restaurantes, 70 acionistas, cerca de 200 franqueados, 150 colaboradores de franqueados e 30 de marketing.
 

Bancorbrás

Em 1983, depois de duas assembleias, foi constituída oficialmente a Bancorbrás Empreendimentos e Participações S.A.. Desde então, o grupo criou empresas para abranger diversos segmentos de mercado, formando um conglomerado. A Bancorbrás ganhou visibilidade nos ramos de consórcio, de seguro e de turismo ao oferecer possibilidades para diversas pessoas realizarem projetos de vida.