Sustentabilidade na ponta do lápis

Estudo aborda diferentes campos da economia e prova que ainda falta muito para que o equilíbrio verde seja alcançado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/11/2014 19:03

“Não estamos bem”. A afirmação é do empresário e ambientalista Israel Klabin e resume em poucas palavras a situação do Brasil em relação a outros países quando o assunto é sustentabilidade. Presidente da Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS), Klabin faz um resumo de um estudo inédito lançado semana passada pela entidade sem fins lucrativos.



O relatório “Diretrizes para uma Economia Verde no Brasil” foi redigido em cima de seis temas principais: água, energia, transporte, resíduos sólidos, agricultura e mercado financeiro. O texto, que apresenta um panorama completo desses setores da atividade econômica sob o olhar da sustentabilidade, foi distribuído para órgãos do governo que lidam com meio ambiente e para instituições nos quatro cantos do país.

Além dos problemas apresentados (bem como se lê nos tópicos abaixo), metas quantitativas foram propostas pela primeira vez e podem, de alguma forma, trazer soluções a médio e longo prazo. Klabin destaca que um dos pontos principais deve ser mudar o conceito de matriz energética que o Brasil adota hoje em dia e a importância de se investir em formas de energia renovável. Além disso, a questão agropecuária é preocupante, tendo em vista que, só a pecuária, ocupa 25% do total do território nacional - o Brasil é o segundo maior exportador de carne do mundo e o segundo com mais gado no planeta, com cerca de 205 milhões de cabeças. “A segurança alimentar do mundo está intimamente ligada à produção agropecuária no Brasil. É preciso que se cuide aqui para evitar problemas a nível global”, explica Klabin. A seguir, um resumo dos seis setores analisados pelo estudo da FBDS:

 

Kleber Lima/CB/D.A Press
 

 

1) Energia
O estudo aponta que devem ser investidos cerca de R$1,26 trilhão em fontes de energia entre o período de 2014 até 2023. Para que haja uma queda da emissão de carbono, o texto recomenda que as metas de redução dos gases de efeito estufa devem ser revistas para, assim, garantir um maior comprometimento do setor.

2) Agricultura
Um quarto do território brasileiro é ocupado pela pecuária e, metade dessa área já sofre processos de degradação ambiental. O estudo destaca com veemência que é preciso recuperar, com urgência, cerca de 110 milhões de hectares dessas terras. Para uma das pesquisadoras do relatório, a medida mais emergencial é recuperar em até dez anos as áreas de pastagem com baixa produtividade, o que corresponde a cerca de 60 milhões de hectares.

3) Resíduos sólidos
Os conflitos políticos entre governo estadual e prefeituras impedem, muitas vezes, que o lixo seja tratado da forma correta em muitos locais do país, inclusive em Brasilia.

4) Transportes
A emissão de gases do efeito estufa é apenas um dos problemas ligados à mobilidade urbana. O estudo aponta que é preciso haver transparência do governo com a população na hora em que novas medidas para solucionar o caos urbano sejam propostas.

5) Água
A atual crise hídrica no Sudeste é apenas um espectro de outros tantos problemas semelhantes que aconteceram no país em anos anteriores. O relatório defende que deveria ter sido aprendido com os erros do passado para evitar problemas de abastecimento que cidades como São Paulo estão sofrendo.

6) Finanças
Sustentabilidade empresarial deve ser levada mais a sério. Por isso, é importante que as empresas elaborem relatórios de sustentabilidade mais objetivos para que, assim, consigam atrair mais investimentos.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.