Em ato inédito na Europa, cidade francesa substitui publicidade por árvores

No total, dois mil metros quadrados de publicidade desaparecerão das ruas de Grenoble

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/11/2014 16:04

Grenoble - Pela primeira vez na Europa, uma cidade, Grenoble (sudeste da França), decidiu proibir os cartazes publicitários em suas ruas, para substituí-los por árvores. Esta decisão foi tomada pelo prefeito ecologista Eric Piolle, que governa desde março esta cidade de 160 mil habitantes situada aos pés dos Alpes.


Entre janeiro e abril de 2015, 326 cartazes publicitários serão retirados por seu fabricante, a empresa francesa JCDecaux. No total, dois mil metros quadrados de publicidade desaparecerão das ruas da cidade. Em seu lugar, a prefeitura prometeu plantar 50 árvores. "Os primeiros cartazes foram instalados em Grenoble em 1976. Trata-se de um modelo obsoleto que não corresponde às expectativas dos habitantes, que desejam se reapropriar do espaço público", declarou à AFP Lucille Lheureux, vice-prefeito encarregado dos espaços públicos.

A decisão, uma promessa de campanha do prefeito Eric Piolle, é "uma primícia europeia para uma grande cidade", segundo a prefeitura. O único precedente no mundo foi a cidade brasileira de São Paulo, que em 2007 decidiu proibir os cartazes publicitários onipresentes em seus muros. No entanto, em 2012 São Paulo reintroduziu a publicidade em seu espaço público, assinando com a JCDecaux um contrato para a instalação de mil relógios que dão aos habitantes a hora, a temperatura, a qualidade do ar e informações municipais.

Apesar da decisão das autoridades municipais de Grenoble, a publicidade não desaparecerá totalmente da cidade, já que os refúgios dos pontos de ônibus não são afetados pela medida. Os cartazes publicitários contidos nos mesmos respondem a um contrato assinado por JCDecaux e pela sociedade mista administradora do transporte público da região de Grenoble (SMTC) que só expirará em 2019.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.