SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Conversa com lobisomem

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/11/2012 11:01 / atualizado em 14/11/2012 11:04

Taylor Lautner é bom de papo e extremamente grato pelo papel de Jacob, o lobisomem que divide o amor de Bella com Edward. O astro teen esteve no Rio de Janeiro para lançar o filme e falou sobre a fama, o universo de Crepúsculo e sobre a diferença entre cada diretor que esteve por trás das câmeras da vitoriosa saga. “É muito legal para um ator interpretar o mesmo papel com abordagens diferentes. Cada diretor traz uma ideia diferente e eu achei isso incrível”, disse Taylor sobre Catherine Hardwicke (Crepúsculo), Chris Weitz (Lua nova), David Slade (Eclipse) e Bill Condon (Amanhecer partes 1 e 2).


Universo Crepúsculo
Quando estou fora desse “mundo”, levo a mesma vida que tinha antes e eu gosto disso, me sinto agradecido por ter feito o que fiz e as experiências que eu tive. Foi incrível.

Prós e contras
Digo sempre que existem coisas boas e ruins em tudo. Vendo tudo num plano geral, não tenho do que reclamar. Sua privacidade fica limitada? Sim, mas nem disso posso reclamar. São tantas coisas boas que vêm disso, que eu sou apenas grato e não trocaria por nada.

A melhor e a pior cena
A mais difícil provavelmente foi em Lua nova. A primeira vez que Bella me vê transformado é quando ela vem à minha casa — estou de cabelo cortado e sem camisa pela primeira vez. A razão por ter sido tão difícil foi porque, naquele dia, estava muito frio e chuvoso. Eu vestia uma calça jeans e só. Kristen estava vestida, mas também sentia frio. Foi uma tomada muito emotiva, então focalizar naquela cena sem se distrair com a chuva, o frio e o clima ruim, foi extremamente difícil. Uma das cenas mais divertidas foi quando o triângulo (Bella, Jacob e Edward) esteve junto pela primeira vez ao mesmo tempo, em Eclipse. Bella está dormindo, e Jacob e Edward têm a oportunidade de conversar. O diálogo é muito engraçado e a gente se divertiu muito nas gravações.

Análise
É inevitável você analisar cada detalhe quando você se assiste. Você pensa em tudo, no que poderia ter feito de diferente, isso sempre acontece. Acredito que você faz o que pode, aprende e tem certeza que está dando o seu melhor. Aprende-se a viver com isso, mas, definitivamente, você se torna cético com as escolhas que você fez.

Televisão
Eu gosto de ver tevê, mas  amo filmes. Como um ator, prefiro mergulhar num papel que me tome três, quatro meses de vida, e ser capaz de fazer a cada vez um papel completamente diferente. Não sei se na televisão terei isso. Quero filmes que me desafiem, que sejam diferentes para mim, coisas que eu ainda não tenha feito.

Sex symbol
Eu não entendo isso completamente, mas acho que vem no pacote. Quando você interpreta um personagem que os fãs amam e acham que já o conhecem, isso acontece. Mas não estou reclamando, hoje estou confortável com isso. Eu foco no trabalho e isto é apenas algo secundário.

Privacidade
A coisa mais importante é manter sua família e seus amigos perto de você. Fui um sortudo por ganhar essa nova vida, mas, ao mesmo tempo, eu vivo do mesmo jeito de sempre. Minha vida em casa, com a família e meus amigos, não mudou em nada e eu acho que isso é muito importante. São eles que me mantêm com os pés no chão.

Referências
Do Steven Spielberg, eu amo Minority report — A nova lei. Já do Gus Van Sant eu adoro o primeiro filme dele com Matt Damon e Ben Affleck, Gênio indomável. Mas outro que eu adoro e achei muito interessante é Elefante. É muito diferente de Gênio, mas os trabalhos deles são muito variados. Gosto muito de Milk — A voz da igualdade também.

Cinema independente
Não sou guiado por estúdios ou pela cena independente. Deixo-me levar mais pelo papel e pelas pessoas envolvidas. Se um diretor como Gus Van Sant está fazendo um grande filme de estúdio ou pequeno título indie, não faz diferença para mim, porque a oportunidade de trabalhar com ele seria número 1 na minha lista de prioridades. Se há em questão um papel incrível, em que eu realmente me conecto com o personagem e existe algo diferente, que me desafia como ator, essa será a coisa que mais terei vontade de fazer no momento. Estou absolutamente aberto a isso também.
Tags:

publicidade