SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Muito além de Che

A mostra cuba, mucho gusto invade todos os espaços do museu da república para contar, cantar e dançar arte da ilha de Fidel

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/11/2012 11:16 / atualizado em 22/11/2012 11:13

Felipe Moraes

Alberto Korda/Divulgação


Um apanhado geral da cultura cubana estará exposto e aberto para visitação gratuita no Museu Nacional da República, de hoje até 2 de dezembro. São tantas as peças, manifestações e vozes artísticas que Cuba, mucho gusto vai além de uma simples mostra. É um projeto de ocupação que se dá fora da ilha, num momento em que os artistas expressam vontade de diálogo com o mundo por meio de seus trabalhos. Kcho, incensado pintor e escultor, é a atração principal, preenchendo o 1º piso do museu. Na obra La conversación, ele expõe 99 barcos (total de 780kg) de diferentes tamanhos: memória marítima casada com a contemporaneidade. “Cuba produz um pensamento sem em bargos. É referência na arte, com a Bienal de Havana e a Faculdade de Artes. Kcho vem com um discurso que versa sobre manufaturas marítimas, uma coisa típica do país. Tudo que ele faz é fruto dessas reminiscências culturais e objetos da atividade marítima”, destaca Wagner Barja, diretor do museu e curador da mostra.

Um show de Laritza Bacallao, sensação musical, abriu ontem (21) a mostra somente para convidados, mas a visita à exposição está liberada. Ela já rodou o planeta, mas é pouco conhecida no Brasil—aqui, esteve a bordo do grupo Buena Vista Social Club. Hoje (22), às 20h30, volta a cantar, ao lado de cinco músicos, em apresentação aberta ao público. Ao todo, cerca de 20 artistas devem desembarcar em Brasília para participar da programação. Nos dias 27 e 29, às 18h, a dramaturgia ganha relevo com os monólogos de Osvaldo Doimeadiós Aguilera, ator de tablado, tevê e cinema. Na vinda à capital federal, promete performance espontânea, de interação com a plateia.

História, cotidiano, atraso urbano, improviso, crítica social e revolução se misturam em fotografias, filmes, cartazes de cinema, músicas, números teatrais, instalações e videoclipes. Até uma banca de charutos, uma tradição da ilha, será instalada para observação dos curiosos. Enquanto passeia pelos espaços do museu, o visitante se verá imerso num pedacinho de Cuba, com imagens projetadas em paredes e fotografias em tamanho gigante de Havana. Música caribenha ressoará em todos os cantos.

Cuba, mucho gusto é também o nome de um documentário de Caetano Curi, diretor da Cinevideo, realizadora da mostra. O filme abriu o Festival de Havana—e também os olhos dos produtores para um projeto maior, que contemplasse outras linguagens. Os 40 dias de filmagem em solo estrangeiro evidenciaram as novidades criativas de um país que, mesmo cativo durante décadas de severidade política e isolamento cultural, nunca parou de se reinventar. “É um pequeno país grande, uma ilha com alma. Quando fomos para lá, tínhamos impressões diferentes o tempo todo. É preciso visitá-la para encontrar a sua verdade. Por isso, queríamos que eles se selecionassem, mostrassem como queriam ser vistos”, diz Carolina Guidotti, sócia da Cinevideo.

Estética própria

Atrás de uma visão sem estereótipos ou convenções, a empresa solicitou a curadoria de Wagner Barja. Nas conversas com os cubanos, chegou-se a um consenso sobre qual seria a melhor maneira de apresentar um país de pensamento e estética renovados. A seleção de boa parte do material, entre filmes (30) —incluindo Cuba, mucho gusto —, fotografias (140), como o clássico retrato de Che Guevara, e cartazes de cinema nacional e estrangeiro, uma atividade germinada nos tempos de União Soviética, ficou a cargo dos próprios cubanos. A curadoria conjunta aliou brasileiros ao Instituto Cubano de Arte e de Indústria Cinematográficos (Icaic) e à Fototeca. Alina Rey e Nelson Ramirez, diretores das duas instituições, são alguns dos vários cubanos que virão para conduzir palestras e oficinas. “É uma mirada bastante ampliada da sociedade cubana atual. É um país maravilhoso, de gente parecida conosco. Tem até um pai de santo vindo também”, diz Barja, diretor do museu.

 

 

Tags:

publicidade