SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Independência no exterior

Da noite parisiense aos pulos de bungees-jumps de Queenstown, as alternativas aos jovens fora do Brasil são extensas. O Turismo selecionou os melhores lugares para curtir com a galera em outros países

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/03/2014 14:00 / atualizado em 27/03/2014 14:56

Muitos jovens pensam em fazer uma viagem na qual aventura, diversão e independência são elementos essenciais — sejam acompanhados de melhores amigos, sejam com companheiros de turma. As festas mais animadas, as melhores praias e a cidade mais procurada, porém, não são a única escolha para comemorar a conclusão de fase tão importante da vida como o ensino médio. Entre vários países que abrigam passeios radicais, cenários magníficos e culinária peculiar, o Turismo separou seis lugares para atiçar seu extinto aventureiro e explorador.

 (wdwnews.com/Reprodução da internet-10/7/09) 

Estados Unidos
A cidade americana de Orlando, que parece abrigar mais brasileiros do que estadunidenses, é uma alternativa tanto para os que preferem fazer compras quanto para os aficionados por adrenalina. Além dos outlets, são várias as opções de parques temáticos. Os mais conhecidos, Universal Studios, Epcot, Island of Adventure e Magic Kingdom, são bons (e longos) passeios. Se o problema é fila de espera antes das atrações, vale a pena desembolsar mais um pouco para adquirir o fast pass, que permite esperar menos tempo para entrar num brinquedo.

A uma hora e meia de viagem de Orlando, o parque Busch Gardens, em Tampa, possui as maiores montanhas russas do mundo. As atrações como a Cheetah Hunt, que simula a corrida de um guepardo, não são as únicas. Dentro do parque, que antes era um zoológico, ainda dá para observar animais e, inclusive, interagir com alguns deles. Grande também em extensão, é bom separar um calçado confortável para andar bastante.

 (Michael Kooren/Reuters - 7/12/13 ) 

Austrália
O país de dimensões continentais é um agrado para quem gosta de variedade. Os turistas podem aproveitar desde a conhecida região de terra avermelhada do Outback até as mais detalhadas edificações de Sydney. Para começar, aliás, passe, pelo menos, dois dias em Sydney e Melbourne, principais cidades do país. Isso porque, além da parada obrigatória em pontos turísticos, como o Opera House, ambas as regiões têm restaurantes e bares que podem ser aproveitados antes (ou depois) de partir para a aventura. Se gastronomia é a motivação, não deixe de visitar os vinhedos de Adelaide, conhecida como a Capital do Vinho da Austrália.

Um mergulho na Grande Barreira de Corais, que tem mais de dois quilômetros de extensão, é boa chance de apreciar a gigantesca quantidade de espécies aquáticas. Vários passeios de helicóptero também podem ser agendados para observar a geografia do Outback australiano. Sagrado para os aborígenes, o tour pelo Uluru — segundo maior monolito do mundo — é um ótimo encerramento de viagem, assim como excelente opção para quem quer saber mais da cultura nativa da Austrália. A imensidão rochosa também é conhecida pela lenda aborígene de trazer azar para qualquer turista que levar parte da pedra como lembrança de viagem. Fica o conselho: nada de suvenires quando estiver passando por lá.

 (Tourism New Zealand/Divulgação) 

Nova Zelândia
A Nova Zelândia é um templo para fãs de esportes radicais, admiradores da natureza e apaixonados por culturas diferentes. Dividida em duas ilhas, Sul e Norte, o país encanta com vulcões ativos, lagos e belíssimos montes (alguns, inclusive, usados nas filmagem da trilogia Senhor dos anéis). Não à toa, existem tours próprios para quem é fã das adaptações da obra de Tolkien para os cinemas, com direito à visita aos estúdios da empresa responsável pelos efeitos visuais das metragens.

Por que não começar bem, pulando em um dos maiores pontos de bungees-jumps do mundo rumo às gargantas dos rios em Queenstown? Esses pontos são considerados os mais assustadores justamente por suas localizações estratégicas em locais peculiares. Todavia, se a preferência não é se lançar pelos ares, há outras opções. As regiões de Arthur’s Pass, Mount Aspiring, Aoraki/Mount Cook e os parques de Fiordland e Central Plateau são excelentes locais para praticar montanhismo. A melhor época, devido ao clima favorável, é entre dezembro e março, porém é sempre importante acompanhar as previsões.

No caso dos rapéis, a locação que mais se destaca são as Waitomo Caves, conhecidas como cavernas glowworm, por conta das pequenas criaturas Arachnocampa luminosa, que emanam luz própria e cobrem grande parte das cavernas, fazendo o cenário parecer uma miniconstelação. Nas mesmas cavernas, existe o black water rafting, onde os viajantes podem navegar pelas águas da gruta por uma espécie de boia de borracha. A maior parte do passeio, inclusive, é apenas iluminada pelas larvas.

 (João Campello/Divulgação) 

Europa
Se quer conhecer gente nova, aproveitar a noite e ter excelentes experiências gastronômicas, alguns países da Europa não podem faltar no seu roteiro. Dependendo da duração da viagem, mesmo que curta, você pode aproveitar vários destinos. Uma facilidade é comprar um passe para o trem que percorre as principais regiões. Por que não começar por Madri, cidade onde acontecem as melhores festas noturnas? Para muita gente, inclusive, a cidade surge de verdade após o pôr do sol. Desde lugares mais conhecidos e caros até casas noturnas menores, a gama de opções é vasta. Boas dicas são as apresentações de flamenco que acontecem no centro, cercado por vários bares e pubs.

Em Paris, apesar do custo mais alto, a programação noturna também é recheada de alternativas. Cheia de bares temáticos como o Buddha Bar, o glamuroso Le Bar Piscine, situado no Hotel Ritz, e até mesmo o Favela Chic — para quem sentir falta da caipirinha brasileira — , a Cidade Luz não é a mesma sem uma noite de boemia. Sinônimo disso, o cabaré Moulin Rouge é visita essencial para quem quer conhecer a noite parisiense.

Amsterdã, hoje, é uma das cidades mais celebradas pelos jovens. Grande parte disso pela facilidade de se divertir na cidade. De dia, à noite, não importa, a cidade sempre tem opções para você. Grandes festivais musicais, que comumente acontecem perto da cidade, casas noturnas e pubs são as principais escolhas. As áreas mais conhecidas para festas noturnas são Rembrantplein e Leidseplein — mesmo que ao redor da cidade ainda existam outras opções como em Spui ou Red Light District.
Tags:

publicidade