SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

QUADRINHOS »

Traços nipo-brasileiros

Ilustradores de Porto Alegre usam o humor característico do país para criar releitura do clássico japonês Cavaleiros do Zodíaco

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 31/03/2014 19:00

Lucas Lavoyer - Especial para o Correio

Publicação: 31/03/2014 04:00

 (Pedro Leite/Rafael Koff/Divulgação ) 
 (Pedro Leite/Rafael Koff/Divulgação ) 
Sátiras do desenho usam situações do cotidiano moderno e as adaptam ao ambiente da trama, a Grécia antiga  (Pedro Leite/Rafael Koff/Divulgação ) 
Sátiras do desenho usam situações do cotidiano moderno e as adaptam ao ambiente da trama, a Grécia antiga

 

 

Enquanto a versão nipônica de Cavaleiros do Zodíaco mostra combates épicos promovidos por guerreiros místicos sob armaduras de bronze e de ouro, uma releitura brasileira faz piada sobre Seiya e companhia em situações cotidianas e sobre histórias do mangá original. Os cartunistas gaúchos Rafael Koff e Pedro Leite reuniram cerca de 100 curtas na coletânea independente Tirinhas do Zodíaco.

A proposta dos quadrinhistas nascidos e criados em Porto Alegre opera sobre ótica simples: fazer humor com os personagens centrais do mangá e anime japonês, desenvolvidos por Masami Kurumada entre 1986 e 1991. A coletânea, impressa em cores após meses de trabalho árduo, é direcionada aos admiradores da saga original, principalmente.


As paródias escritas e ilustradas por Koff e Leite abordam situações inclusas no universo de Seiya, Hyoga, Shiryu, Shun e Ikki, principais personagens que embasam a primeira trama da série, ambientada em um santuário grego. Sem conhecimento mínimo sobre Cavaleiros do Zodíaco, o humor da publicação gaúcha dificilmente é compreendido. “As Tirinhas do Zodíaco são para os fãs mesmo. Dentro do universo dos Cavaleiros, é essencial ter visto a série para entender. Não focamos muito no mangá”, ressaltou Rafael Koff.

A ideia de desenvolver os quadrinhos surgiu há três anos, quando os autores se conheceram em uma agência de publicidade. Logo depois de notarem que tinham interesse em comum, o projeto vingou e acumulou fãs. “Começamos bem despretensiosamente. A gente sabia que a série tinha muitos admiradores no Brasil, que não havia muitas paródias dela e que esse tipo de material costuma fazer sucesso na internet. Mesmo assim, a aceitação foi uma bem-vinda surpresa”, apontou Koff.

Dando certo

Apesar de serem antigas, as produções envolvendo os personagens japoneses (série, mangá e alguns longas) ainda prendem atenção de um público heterogêneo, distribuído em diversas faixas etárias. Com isso, a versão Tirinhas do Zodíaco faz sucesso também na internet. Até o fechamento desta edição, mais de 20 mil usários haviam curtido o projeto em redes sociais. Os autores já venderam 2,7 mil cópias do trabalho.

A trama original de Cavaleiros do Zodíaco é construída sobre a história do órfão Seiya, transformado no cavaleiro de pégaso após vestir uma armadura que estava em santuário da Grécia. Com outros guerreiros, o jovem precisa proteger a reencarnação da deusa grega Atena, que vive em conflito com outras entidades mitológicas do Olimpo. O mangá que deu origem à série na tevê e a alguns filmes tem 28 volumes e três sagas principais.

 

 (Pedro Leite/Rafael Koff/Divulgação ) 

Tirinhas do Zodíaco
3 edições. R$ 20 (cada). Site de vendas: www.tirinhasdozodiaco.blogspot.com.br

2,7 mil
Quantidade de cópias vendidas de Tirinhas do Zodíaco

 

Tags:

publicidade