SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

TOMBAMENTO »

Nosso mar, segundo Lucio Costa

Definição do céu de Brasília é lembrada por Orlando Brito, fotógrafo que também defende que o espaço aéreo da capital torne-se Paisagem Cultural Brasileira. Presidente do Iphan diz que iniciativa é louvável, mas há dificuldades

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/04/2014 16:00

Ailim Cabral , Ariadne Sakkis

Foto feita por Orlando Brito inspirada na frase de Lucio Costa: ajuda na preservação da visibilidade da linha do horizonte (Orlando Brito/Esp. CB/D.A Press - 1992) 
Foto feita por Orlando Brito inspirada na frase de Lucio Costa: ajuda na preservação da visibilidade da linha do horizonte


Um dia, no apartamento de Lucio Costa, virado para o mar do Rio de Janeiro, o fotógrafo Orlando Brito teve uma conversa com o arquiteto e urbanista que assina o projeto urbanístico de Brasília. Era 1992 e Brito já vivia em Brasília havia 35 anos. “Eu disse a ele que o que faltava em Brasília era o mar. Lucio colocou a mão no meu ombro e, com um sorriso, disse: ‘Meu filho, o mar de Brasília é o céu’. Quando voltei para cá, precisava de imagem para simbolizar essa frase”, relembra Orlando Brito. O fotógrafo tornou-se  referência quando o assunto é o céu de Brasília, o mesmo que o arrebatou quando ele pisou pela primeira vez na nova cidade, em 1957.

Para ele, a ideia de tombar o céu da cidade, como se tem discutido, pode ajudar a preservar a visibilidade da linha do horizonte. “A ideia é manter o acesso visual a essa maravilha que é o céu de Brasília. De noite, temos a sensação de que estamos vendo todas as estrelas do universo”, ilustra. O arquiteto Carlos Fernando de Moura Delphim redigiu um projeto, ainda não encaminhado ao Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que pretende intitular o firmamento da cidade como uma Paisagem Cultural Brasileira.

O dono da ideia lembra que quando surgiu o projeto de Brasília tornar-se Patrimônio Histórico da Humanidade, muitos pensaram que não iria para frente. Hoje, a defesa é feita com veemência pelos especialistas. “Se as curvas em concreto podem ficar protegidas, por que não a paisagem azul? Alguns chegaram a rir da ideia, mas ela é bem simples”, argumenta Carlos Fernando. A proposta do projeto é definir regras de cores, gabaritos, alturas e volumes de construções para não impedirem a vista do céu. “Cada lugar tem uma identidade, uma marca. E a de Brasília é o céu.”

Essencial

Autor de fotografias singulares de Brasília, Bento Viana vê o céu como uma das coisas bonitas de Brasília. Acredita que deve ser preservado, pois é intrínseco à qualidade de vida do brasiliense. Por isso, é favorável à proposta. “Pode parecer algo muito romântico, mas as pessoas tentam preservar o que consideram parte essencial de Brasília. O céu é um personagem importantíssimo nas minhas fotos. Não é um coadjuvante, é o personagem principal”, completa.

Acima de nossas cabeças

 O que o projeto de Carlos Fernando de Moura Delphim defende

» Tombar o céu de Brasília como uma Paisagem Cultural Brasileira
» Controlar e documentar todas as atividades referentes a mudanças e revisões do bem tombado
» Dar ao Iphan, apoiado pelo Ministério Público, a coordenação e o controle da gestão do sistema de qualidade do céu de Brasília
» Criar um conselho local, presidido pelo Iphan, por representantes de órgãos públicos e da sociedade civil
» Criar um site para divulgação do céu da cidade
» Instalar mirantes em prédios públicos e alto de edifícios para apreciação e observação do céu
» Incentivar a produção e venda de artesanato e souvenires com
o tema do céu
Tags:

publicidade