O mundo colorido de Parr

Ilustrador e autor norte-americano de livros infantis, Todd Parr é um dos destaques da Flipiri

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/05/2014 14:58

Nahima Maciel

foto:Todd Parr/Divulgação
Todd Parr, 51 anos, desenha como uma criança e essa é a receita do sucesso que tem no mercado de livros infantis dos Estados Unidos e do mundo. Seus livros vendem tão bem que o canal Discovery Kids acabou por contratá-lo para fazer a série de desenhos animados ToddWorld. Parr se traveste de personagem ou narrador para contar histórias nas quais privilegia noções, como o respeito às diferenças e a importância do reconhecimento das habilidades das crianças. É sobre isso que ele vai falar durante a 6ª Festa Literária de Pirenópolis (Flipiri), que começou ontem. É a primeira vez que a festa traz um convidado estrangeiro, e Parr vai participar do 2º Encontro de Ilustradores.

A própria vida do autor serve de combustível para as criações, já que, na infância, ele teve problemas na escola e fracassou nas aulas de artes. Parr conta que, não fosse o incentivo da avó e a confiança depositada nele, talvez não tivesse seguido adiante. Quando criança, era considerado problemático porque lia com dificuldade e lentamente. Por isso, foi colocado em uma classe de alunos especiais. Durante muito tempo, sentiu-se diferente e foi alvo de piadas dos colegas e companheiros de escola.

Somente na idade adulta, depois de uma curta carreira como comissário de bordo, percebeu que seu processo de aprendizado se dava, principalmente, pelo olhar. Levou um tempo para que se sentisse confiante o suficiente para investir no próprio talento, mas, quando se soltou e começou a publicar, acabou nas listas de mais vendidos de veículos respeitáveis, como o The New York Times. As lembranças de infância são a principal inspiração de Parr para os 43 livros publicados desde 1995. Suas mensagens preferidas são aquelas que ensinam às crianças a necessidade de se sentirem bem com suas qualidades e defeitos e a ideia de que as pessoas são diferentes, e isso é bom. No Brasil, estão traduzidos títulos como Tudo bem ser diferente, O livro dos sentimentos e Cuecas e calcinhas — o certo e o errado. De Nova York, onde mora, Parr conversou com o Diversão&Arte sobre a arte de ilustrar livros para crianças.

“Se você pode ler e sonhar, você pode fazer quase qualquer coisa na vida”
Todd Parr,  ilustrador

Três perguntas/  Todd Parr

Arquivo Pessoal

Você sempre diz que escreve e desenha para fazer as crianças felizes. Há uma técnica para isso?

É um equilíbrio entre humor, extravagância e imprevisibilidade. A felicidade inspira as crianças a se sentirem bem com elas mesmas e as inspira a ter sucesso. Ajuda a construir a confiança e encoraja. Não encorajo as crianças, necessariamente, a serem diferentes, mas sim a compreender que somos todos diferentes de várias maneiras e que isso é uma coisa boa. Livros ajudam os cérebros das crianças a crescer e as encoraja a sonhar. Se você pode ler e sonhar, você pode fazer quase qualquer coisa na vida.

Como ensinar autoconfiança  às crianças?
Encorajando e ficando orgulhoso em relação a qualquer coisa que façam. Por exemplo: se algumas crianças gostam de desenhar, mas não são excelentes, é importante indicar suas forças. Talvez eles consigam desenhar um círculo realmente muito bom ou talvez escolham cores muito brilhantes. Acho importante encontrar qualidades em toda e apontá-las.

Fazer o ToddWorld é muito diferente de escrever livros? Qual a importância da televisão?
ToddWorld é uma experiência muito diferente para mim. A premissa do programa foi baseada nos meus livros, mas meus livros não têm, necessariamente, personagens ou histórias, então ToddWorld teve que ter uma abordagem do tipo: se meus livros falassem, o que eles diriam? Isso foi muito difícil para mim de fazer em um episódio de 11 minutos. Eu percebi que a melhor coisa que podia acrescentar ao ToddWorld era ter um escritor profissional para escrever os episódios com minha ajuda para incluir o que chamamos de “toddismos”, como a besteira, os apoios, os imprevistos e a extravagância pelos quais meus livros são conhecidos.

Tags: